Topo

FHC só abriu ONU uma vez; Lula perdeu duas; Bolsonaro estreia nesta terça

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), participa da cerimônia de troca da Guarda Presidencial, em frente ao Palácio do Planalto - Mateus Bonomi/Agif/Estadão Conteúdo
O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), participa da cerimônia de troca da Guarda Presidencial, em frente ao Palácio do Planalto Imagem: Mateus Bonomi/Agif/Estadão Conteúdo

Talita Marchao

Do UOL, em São Paulo

22/09/2019 04h00

Com a permissão de sua equipe médica, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) deve fazer a sua estreia na abertura da Assembleia da ONU na terça-feira. É tradição (e não regra) que o Brasil faça o discurso que dá início às discussões. Mas presidentes brasileiros só passaram a abrir a reunião a partir de 1982, com o presidente do regime militar João Baptista de Oliveira Figueiredo.

Até 1982, chanceleres e embaixadores brasileiros foram os responsáveis pelos discursos de abertura na ONU (Organização das Nações Unidas). O próprio Figueiredo discursou uma única vez, mandando seu ministro de Relações Exteriores nas reuniões dos anos seguintes. O ex-presidente José Sarney, que assumiu o cargo com a doença e subsequente morte de Tancredo Neves, discursou em duas ocasiões.

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor de Mello (PROS-AL) também discursou em duas ocasiões antes do impeachment. Itamar Franco, seu sucessor, não discursou nenhuma vez —mandou seus chanceleres, Celso Lafer e Celso Amorim.

Eleito em 1994, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) discursou somente uma vez, em 2001. Em outras seis ocasiões, mandou seus chanceleres, Luiz Felipe Lampreia e Lafer, para representar o Brasil.

Quando assumiu a Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) abriu quase todas as Assembleias-Gerais da ONU. Em 2005, em meio ao escândalo do mensalão, seu chanceler, Celso Amorim, discursou na plenária —Lula participou da Assembleia dias antes, na reunião do Conselho de Segurança da ONU e em reuniões sobre desenvolvimento e financiamento de ações de combate à pobreza. Em 2010, Amorim discursou tanto na Assembleia quanto no Conselho de Segurança.

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) discursou em todas as ocasiões enquanto ocupou a Presidência. Foi também a primeira mulher a abrir a Assembleia da ONU. Após o impeachment, Michel Temer (MDB) assumiu o cargo e discursou nas três ocasiões em que o evento foi realizado.

Em sua estreia, Bolsonaro deve defender sua gestão na questão ambiental. "Estou me preparando para um discurso bastante objetivo, diferente de outros presidentes que me antecederam. Ninguém vai brigar com ninguém lá, pode ficar tranquilo. Vou apanhar da mídia, de qualquer maneira, essa mídia sempre tem o que reclamar, mas eu vou falar como anda o Brasil nessa questão. E eles tem números verídicos sobre isso aí, mas o que interessa? É desgastar a imagem do Brasil. Desgastar por quê? Para ver se cria um caos aqui, para o pessoal lá de fora se dar bem. Se a nossa agricultura cair, é bom para outros países que vivem disso", disse Bolsonaro nesta semana.

Internacional