Topo

Lula lamenta "golpe de estado" contra Evo Morales e critica elite econômica

Ex-presidente Lula se dirige a apoiadores em São Bernardo do Campo (SP) um dia após deixar a prisão em Curitiba - Thiago Bernardes/FramePhoto/Estadão Conteúdo
Ex-presidente Lula se dirige a apoiadores em São Bernardo do Campo (SP) um dia após deixar a prisão em Curitiba Imagem: Thiago Bernardes/FramePhoto/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/11/2019 19h10

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou sua conta no Twitter para se manifestar sobre a renúncia do boliviano Evo Morales, anunciada hoje. O petista chamou o ocorrido de "golpe de estado" e citou que o presidente da Bolívia "foi obrigado a renunciar", além de criticar a elite econômica da América Latina. O caso também teve comentário do atual presidente, Jair Bolsonaro, que defendeu o voto impresso.

"Acabo de saber que houve um golpe de estado na Bolívia e que o companheiro Evo Morales foi obrigado a renunciar. É lamentável que a América Latina tenha uma elite econômica que não saiba conviver com a democracia e com a inclusão social dos mais pobres", disse Lula na rede social.

Evo Morales ficou quase 14 anos no poder na Bolívia, tendo assumido o cargo no começo de 2006, época em que Lula estava ainda em seu primeiro mandato como presidente do Brasil. Além do petista, outros políticos da esquerda brasileira também se manifestaram acusando o "golpe".

Depois de uma crise política que só aumentou a partir das denúncias de fraude nas eleições por parte da oposição boliviana, o mandatário disse que renunciava para "pacificar o país". Casas de sua irmã e políticos do MAS (Movimento para o Socialismo, em português) foram atacadas.

Evo se disse vítima de um golpe após ter convocado novas eleições na Bolívia hoje mais cedo. Isso aconteceu após relatório da OEA (Organização dos Estados Americanos) recomendar a invalidação do pleito que oficialmente havia assegurado um novo mandato ao presidente.

Internacional