PUBLICIDADE
Topo

Trump é comparado a Thanos em vídeo de campanha; criador do vilão repudia

Em vídeo da campanha de Trump para reeleição, rosto do presidente dos EUA substituiu vilão Thanos - Reprodução/Twitter
Em vídeo da campanha de Trump para reeleição, rosto do presidente dos EUA substituiu vilão Thanos Imagem: Reprodução/Twitter

Do UOL, em São Paulo

11/12/2019 08h45

O perfil da campanha de Donald Trump para reeleição nos EUA publicou, no Twitter, um vídeo em que o republicano acaba "se transformando" no personagem Thanos, vilão dos filmes da Marvel.

Na cena original, Thanos consegue eliminar, após um estalar dos dedos, 3,7 bilhões de pessoas com o objetivo de "equilibrar" o universo. O vídeo traz o rosto do presidente norte-americano no lugar do icônico vilão.

As imagens também mostram Nancy Pelosi, presidente da Câmara, e outros líderes democratas - partido que é rival ao de Trump -, desaparecendo subitamente.

"Os democratas da Câmara podem empurrar seu falso impeachment para onde quiserem. A reeleição do presidente Trump é inevitável", diz o tuíte. O republicano é alvo de processo de impeachment por abuso de poder e obstrução ao Congresso.

"Quão doente é isso?"

O vídeo, no entanto, não foi bem visto pelo próprio criador de Thanos, o autor Jim Starlin. Em entrevista ao Hollywood Reporter, ele repudiou a atitude.

"Percebi que o líder do meu país e do mundo livre realmente gosta de se comparar a um assassino em massa. Quão doente é isso? Estamos passando por momentos tristes e estranhos. Felizmente, todas as coisas, até pesadelos nacionais, acabam chegando ao fim", afirmou.

O impeachment

Trump é acusado de abuso de poder por ter tentado usado o cargo para tentar forçar o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelenski, a investigar o ex-vice-presidente Joe Biden, que é pré-candidato democrata nas eleições de 2020.

Já outra denúncia, de obstrução ao Congresso, foi motivada pelas tentativas da Casa Branca de impedir o depoimento de testemunhas-chave convocadas pelos democratas e de não dar aos parlamentares acesso a documentos ligados ao caso.

*com informações da EFE

Internacional