PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump promete impor sanções ao Iraque em caso de expulsão de tropas dos EUA

5.jan.2020 - O presidente dos EUA, Donald Trump, junto com a primeira-dama, Melania, em Washington - Saul Loeb/AFP
5.jan.2020 - O presidente dos EUA, Donald Trump, junto com a primeira-dama, Melania, em Washington Imagem: Saul Loeb/AFP

Do UOL, em São Paulo

05/01/2020 23h07

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse neste domingo (5) que vai impor sanções ao Iraque caso o país decida expulsar as tropas americanas que estão no país desde 2014, no combate ao grupo extremista Estado Islâmico. Os EUA têm mais de 5.000 militares em território iraquiano.

"Vamos impor a eles sanções como eles nunca viram", afirmou Trump a jornalistas durante voo do Air Force One, o avião presidencial americano. Ele viajava da Flórida, onde passou as festas de fim de ano, para Washington.

A declaração de Trump foi uma resposta à decisão do Parlamento iraquiano de aprovar um plano para a expulsão das tropas estrangeiras do país, até o momento a retaliação mais contundente aos EUA após o ataque americano que matou, em Bagdá, o general iraniano Qassim Suleimani.

O plano de saída das tropas estrangeiras ainda precisa ser acatado pelo primeiro-ministro iraquiano, Adil Abdul Mahdi, o que não deve demorar para acontecer. Um comunicado oficial divulgado hoje pelo governo iraquiano dizia que as autoridades locais já estão preparando um documento no qual constarão os passos "legais e procedimentais" necessários para a retirada das forças estrangeiras.

Trump ainda condicionou a saída das tropas americanas ao pagamento, pelo Iraque, dos custos de manutenção das mesmas no país.

"Nós temos lá uma base aérea extraordinariamente cara. Custou bilhões de dólares para ser construída, muito antes do meu período [como presidente]. Não sairemos a menos que eles nos paguem", disse.

Com as declarações desta noite, Trump mantém elevada a temperatura da crise internacional provocada pela recente escalada de tensões no Oriente Médio, e vai na contramão do pedido feito horas antes pelos governos de Alemanha, França e Reino Unido para que as partes adotem "máxima contenção e responsabilidade" e mantenham o combate ao Estado Islâmico como prioridade.

Ameaças ao Irã

Desde a noite de sábado (4), Trump já fez pelo menos duas graves ameaças de ataques militares ao Irã.

Primeiro, disse que tinha uma lista de 52 alvos iranianos a serem atingidos caso o país atacasse americanos. Depois, afirmou que poderia até adotar uma reação "desproporcional" a uma eventual ofensiva iraniana contra indivíduos ou bases americanas.

Entre uma ameaça e outra, o Irã anunciou que deu fim às restrições ao desenvolvimento de seu programa nuclear, o que inclui a retomada ilimitada do enriquecimento de urânio.

O urânio enriquecido pode ser usado para a fabricação de armas nucleares. O Irã é signatário do TNP (Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares), e defende que seu programa nuclear tem fins pacíficos.

Internacional