PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Coronavírus: Papa reza sozinho na praça São Pedro e dá benção ao mundo

Papa Francisco reza sozinho na Praça São Pedro, no Vaticano - Reprodução/Vaticano
Papa Francisco reza sozinho na Praça São Pedro, no Vaticano Imagem: Reprodução/Vaticano

Do UOL, em São Paulo*

27/03/2020 15h11

Pela primeira vez na história milenar da Igreja católica, o papa rezou hoje sozinho diante da imensa praça vazia de São Pedro e deu a bênção e a indulgência plenária ao mundo pela pandemia do novo coronavírus que o atormenta.

O evento foi um ritual inédito, durante o qual deu a bênção "Urbi et Orbi" (à cidade e ao mundo) a todos os fiéis e que foi transmitido pela televisão, internet e rádio às 18h de Roma, 17h GMT (14h no horário de Brasília).

"Deus onipotente e misericordioso, olha a nossa dolorosa situação: conforta teus filhos e abre nossos corações à esperança, porque sentimos sua presença de Pai em nosso meio", afirmou, ao abrir a oração. A bênção de Francisco reforça a gravidade da emergência global, principalmente na Itália, um dos países mais atingidos pela Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

Durante a oração, o argentino ressaltou que a emergência atual pode ser uma oportunidade para "redefinir o curso da vida", principalmente reaproximando as pessoas, já que todos estavam "muito preocupados com a sua imagem e não com os outros".

"Vamos adiante sentindo-nos fortes e capazes de tudo, com pressa. E não paramos diante dos chamados das guerras e das injustiças humanitárias. Não ouvimos o nosso mundo gravemente doente. É tempo de colocar a rota da vida na sua direção, Senhor", disse Francisco, também lembrando da importância daqueles que fazem trabalhos considerados mais simples na sociedade.

"Nossas vidas são tecidas e apoiadas por pessoas comuns, geralmente esquecidas, que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas ou nas grandes passarelas, mas, sem dúvida, escrevem hoje os eventos decisivos da nossa história", disse, citando médicos, enfermeiros, trabalhadores de supermercados, faxineiros, entre outros.

A bênção permitiu que mais de 1,3 bilhão de católicos obtenham a indulgência plenária, ou seja, o perdão de seus pecados, em um momento tão difícil, com medidas de confinamento que afetam mais de 3 bilhões de pessoas.

A bênção extraordinária Urbi et Orbi é a mesma que os pontífices costumam transmitir apenas em 25 de dezembro e no domingo de Páscoa, datas em que são lembrados o nascimento e a morte de Jesus.

O Vaticano confirmou nesta semana hoje mais três contágios pelo novo coronavírus, elevando para quatro o número de casos registrados pelo menor país do mundo.

Segundo o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, os três últimos infectados são dois funcionários dos Museus Vaticanos e um colaborador do Escritório de Mercadorias. Já o primeiro é o participante de um congresso realizado no fim de fevereiro.

No entanto, o Vaticano decidiu não suspender suas atividades, limitando o número de funcionários e "incentivando o trabalho remoto o máximo possível", segundo a assessoria de imprensa.

*Com informações da AFP e Ansa

Internacional