PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Pela 1ª vez, homem contrai covid-19 de um cadáver contaminado

Pesquisadores recomendam que legistas também usem equipamento de proteção - ALY SONG
Pesquisadores recomendam que legistas também usem equipamento de proteção Imagem: ALY SONG

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

15/04/2020 10h23

Resumo da notícia

  • O médico legista na Tailândia morreu após contrair covid-19
  • É primeira vez que uma pessoa se contaminou após contato com um cadáver
  • Pesquisadores que relataram o caso recomendam uso de equipamento de proteção aos legistas

Pela primeira vez desde o surgimento do novo coranavírus uma pessoa contraiu a covid-19 de um cadáver. O caso aconteceu na Tailândia e foi relatado na publicação especializada Jornal of Forensic and Legal Medicine.

O médico legista que trabalhava em Bancoc, capital tailandesa, acabou morrendo. O relato do caso não informa o nome nem idade da vítima.

"Pelo que sabemos, este é o primeiro caso de infecção e morte por covid-19 de um médico legista", escreveram os pesquisadores Won Sriwijitalai, do RVT Medical Center of Bankok, e Viroj Wiwanitkit, da DY Patil University of India.

De acordo com eles, "há poucas chances" de legistas entrarem em contato com pacientes infectados, "mas eles podem ter contato com amostras biológicas e cadáveres".

"Atualmente, não há dados sobre o número exato de cadáveres contaminados com covid-19, uma vez que não é rotina examinar o covid-19 em cadáveres na Tailândia."

Por esta razão, os pesquisadores recomendaram "precaução". "Os profissionais da área médica precisam usar equipamento de proteção, incluindo roupas apropriadas, luvas, óculos, boné e máscara. O procedimento de desinfecção usado nas salas de operação também pode ser aplicado em unidades forenses."

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, o número de casos confirmados na Tailândia é de 2.643, com 43 mortes.

Em todo o mundo, mais de 1,9 milhão de pessoas foram diagnosticadas com a doença em 185 países, com 128.011 mortes. Até agora, mais de 500 mil pessoas se curaram.

Internacional