PUBLICIDADE
Topo

Após EUA, protesto contra racismo reúne milhares de pessoas em Londres

Do UOL, em São Paulo

03/06/2020 12h15Atualizada em 03/06/2020 17h01

Os protestos contra o racismo começam a ganhar corpo no Reino Unido, após explodirem nos Estados Unidos com oito noites seguidas de manifestações em reação à morte do segurança negro George Floyd em uma abordagem policial em Minneapolis (EUA).

Hoje pela manhã, milhares de pessoas se reuniram no Hyde Park, em Londres, para pedir o fim da violência e da discriminação contra negros e imigrantes.

Os manifestantes exibiram diversos cartazes com os dizeres "black lives matter" (vidas negras importam, em tradução livre) e mensagens exigindo mudanças e pedindo igualdade.

Eles repetiram várias vezes o bordão: "UK is not innocent" (o Reino Unido não inocente), em referência à violência praticada contra as minorias.

Em um dos momentos mais marcantes, o ator John Boyega, da saga Star Wars, fez um discurso acalorado em um megafone e foi ovacionado pela multidão.

Depois de formarem um grupo grande, os manifestantes saíram em marcha pelas ruas e foram até a entrada do Parlamento Britânico.

Vídeos publicados nas redes sociais mostram a caminhada pacífica, enquanto os participantes gritavam frases de ordem.

Em frente ao Parlamento, os manifestantes entoaram músicas e alguns acabaram provocando policias e agentes de segurança.

Imagens das redes sociais mostraram um confronto entre manifestantes e policiais, mas o tumulto foi logo dispersado.

Outras manifestações

A capital inglesa foi palco de ao menos outras duas manifestações contra o racismo nos últimos dias. No domingo (31), um grupo se reuniu na Trafalgar Square.

Na segunda-feira (1º), manifestantes fizeram uma caminhada pelo bairros de Peckham e Brixton, regiões onde vivem muitos negros e imigrantes.

Internacional