PUBLICIDADE
Topo

Maduro comemora Dia do Rock com foto do show dos 'Ratos de Porão'

Nicolás Maduro fez parte de movimentos contra governo liberal de Carlos Pérez nos anos 90; presidente está no poder desde 2013 - Manaure Quintero/Reuters
Nicolás Maduro fez parte de movimentos contra governo liberal de Carlos Pérez nos anos 90; presidente está no poder desde 2013 Imagem: Manaure Quintero/Reuters

Do UOL, em São Paulo

13/07/2020 13h09Atualizada em 13/07/2020 14h51

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, usou suas redes sociais para comemorar o Dia do Rock, celebrado ao redor do mundo.

Maduro escreveu na legenda de uma foto de um show de rock da banda brasileira Ratos de Porão, feito em 2015, em Caracas, num festival organizado pelo presidente venezuelano.

Ele disse que o ritmo é uma de suas paixões e que trazia "emoções [ao] lembrar o tempo de militância e rebeldia" em sua vida.

"Eu celebro o Dia Mundial do Rock enviando uma saudação especial a todos os meus colegas e amigos que compartilham a mesma paixão que eu: rock. Quantas emoções ao lembrar o tempo de militância e rebeldia em que essa música sempre nos acompanhou. Feliz Dia!", disse

Seguidores questionaram o presidente, criticando-o por não falar sobre outras questões consideradas importantes para o país, como o combate contra a pandemia de coronavírus e medidas para a economia.

A Venezuela vive sob administração de Maduro desde 2013, quando assumiu em razão da doença e morte de Hugo Chávez. Em 2018, ele foi reeleito em um processo questionado pela comunidade internacional.

Em 2019, Maduro tomou posse para o mandato até 2025, gerando uma crise na qual a Assembleia Nacional não reconheceu seus poderes e Juan Guaidó se declarou presidente interino — reconhecido pelo Brasil, EUA e outros países.

Quando jovem, Maduro participou de movimentos sindicais e se envolveu com a militância ligada ao espectro da esquerda da Venezuela, participando das campanhas pela libertação de Hugo Chávez — preso na década de 90 após tentativas de golpes contra o governo de Carlos Pérez — e do lançamento do "chavista" para a presidência do país.

Internacional