PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Rússia diz que está desenvolvendo vacina contra o coronavírus para gatos

Estudo apontou possibilidade de que gatos possam transmitir coronavírus entre si - Divulgação
Estudo apontou possibilidade de que gatos possam transmitir coronavírus entre si Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

17/08/2020 10h05

O governo russo anunciou que está desenvolvendo uma vacina contra o coronavírus para ser aplicada em gatos domésticos e em visons, um mamífero da mesma família dos furões que são criados em fazendas no país.

De acordo com o tabloide britânico "Daily Mail", a vigilância sanitária russa disse que espera começar os testes da vacina no outono do hemisfério norte (primavera no Brasil).

"Estamos trabalhando na criação de uma vacina para animais que proteja contra infecções pelo novo coronavírus", disse o chefe da vigilância sanitária russa, Sergey Dankvert. "O foco principal da vacina são os visons. Eles podem transmitir o vírus rapidamente entre eles."

Há registro de um caso na Holanda de humanos que teriam contraído o vírus de vison criados em uma fazenda. Na Espanha, milhares de animais tiveram de ser sacrificados depois de apresentarem resultado positivo para o coronavírus.

No caso dos gatos, ainda não há registro de que possam transmitir o vírus para humanos. No entanto, um estudo publicado no "New England Journal of Medicine" afirma que os felinos também podem transmitir o coronavírus uns para os outros.

"As pessoas vão querer vacinar seus bichinhos também, por exemplo os gatos", declarou Dankvert.

Rússia diz que registrou 1ª vacina contra coronavírus

Na semana passada, o governo russo anunciou que registrou a primeira vacina do mundo contra o coronavírus para uso em humanos.

O anúncio foi feito pelo presidente da Rússia, Vladmimir Putin, que disse que uma de suas filhas já foi vacinada. Putin afirmou que a vacina passou pelos testes necessários e se mostrou eficaz, oferecendo imunidade duradoura ao coronavírus.

No entanto, cientistas nacionais e internacionais têm alertado que a pressa em começar a usar a vacina antes dos testes da fase 3 —que normalmente duram meses e envolvem milhares de pessoas— pode ser um problema.

Coronavírus