PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Youtuber morre após descobrir que dor no ombro era tipo raro de câncer

David Macmillan, youtuber que morreu de câncer raro de células germinativas - Reprodução
David Macmillan, youtuber que morreu de câncer raro de células germinativas Imagem: Reprodução

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/10/2020 11h24

O youtuber David Macmillan, de 30 anos, que era dono do canal Pirate Dog, morreu no último dia 8 de outubro depois de ser diagnosticado com um tipo raro de câncer. O escocês começou a sentir uma dor no ombro ainda em janeiro, cuja causa acreditava ser uma disputa de queda de braço que ele realizou com o pai. Entretanto, tratava-se de um sintoma de um tumor de células germinativas.

Residente de Northumberland, na Inglaterra, Macmillan tentou no fim de fevereiro marcar uma consulta médica, mas não teve sucesso. Por isso, a família atribui o diagnóstico tardio do câncer ao lockdown que se instaurava no país devido à pandemia da covid-19.

Todavia, o paciente conseguiu eventualmente os conselhos de uma enfermeira, que o receitou medicamentos e fisioterapia para o ombro em meados de março. "Então na páscoa ele saiu para fazer compras e quando voltou já estava sem fôlego", descreveu ao site britânico Daily Mail, Diane Whinn, a mãe do youtuber.

Diane acreditou por um momento que o filho poderia ter pneumonia, mas Macmillan mais tarde foi diagnosticado com o câncer raro de células germinativas, que afetava, no caso dele, o mediastino (uma das três cavidades da cavidade torácica).

Depois que o rapaz passou por quimioterapia, ao fechar o mês de outubro, os médicos já não tinham mais alternativas para salvá-lo. O paciente foi colocado em um respirador até que a morte chegasse.

De acordo com a mãe de Macmillan, que também é enfermeira, é possível que o filho dela tenha carregado o câncer ao longo da vida, sem nunca saber disso.

"Mas, como ele [David Macmillan] estava em forma e saudável, [o câncer] era um assassino silencioso", afirmou a mulher. "Só acho que se alguém o tivesse examinado fisicamente, poderíamos ter descoberto algo antes", lamentou.

Internacional