PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

Esse conteúdo é antigo

Trump se recusa a aceitar vitória de Biden e promete tomar medidas legais

Do UOL, em São Paulo

07/11/2020 14h05Atualizada em 07/11/2020 16h37

Donald Trump se recusou a aceitar a vitória de Joe Biden nas eleições norte-americanas*, conforme foi anunciado no começo da tarde de hoje e, em comunicado, prometeu tomar medidas legais para colocar em xeque o resultado do pleito.

"Todos nós sabemos o motivo de Joe Biden estar correndo para falsamente posar como vencedor, e o motivo de a mídia aliada estar tentando tanto ajudá-lo: eles não querem que a verdade seja exposta", atacou Trump, em comunicado divulgado pela sua equipe de imprensa.

O republicano segue alegando fraudes no processo eleitoral, ainda que não tenha mostrado provas disso, e não especificou que medidas legais tomará.

"O simples fato é que essa eleição está longe de estar encerrada. Joe Biden não foi confirmado como vencedor de nenhum estado, muito menos dos estados altamente questionáveis, que terão recontagem obrigatória", acrescentou. "Na Pensilvânia, por exemplo, nossos observadores legais foram impedidos de acesso para acompanhar o processo de contagem. Votos legais decidem quem é o presidente, não a imprensa."

trump - Carlos Barria/Reuters - Carlos Barria/Reuters
Trump deixa a Casa Branca para jogar golfe na manhã deste sábado, antes da definição das eleições
Imagem: Carlos Barria/Reuters

No começo da tarde, Donald Trump deixou a Casa Branca pela primeira vez desde o início da apuração. Ele foi jogar golfe.

Neste meio tempo, a imprensa norte-americana confirmou as projeções de vitória de Biden, que atingiu 273 votos no colégio eleitoral, três a mais do que o mínimo necessário para ser confirmado como novo presidente dos Estados Unidos. Em seguida, Nevada confirmou mais seis pontos para Biden, agora com 279.

Segundo fontes ouvidas pela CNN, não há qualquer plano para de Donald Trump para convidar Biden para uma visita à Casa Branca nos próximos dias.

Trump e sua equipe de advogados vêm contestando os resultados das eleições e o presidente chegou a se declarar vencedor e clamar, no Twitter: "parem a contagem!".

A apuração nos EUA segue em estados que podem ampliar a vantagem de Biden, Arizona e Geórgia, ambos com o democrata à frente por discreta margem.

Confira o comunicado completo:

"Todos nós sabemos o motivo de Joe Biden estar correndo para falsamente posar como vencedor, e o motivo de a mídia aliada estar tentando tanto ajudá-lo: eles não querem que a verdade seja exposta. O simples fato é que essa eleição está longe de estar encerrada. Joe Biden não foi confirmado como vencedor de nenhum estado, muito menos dos estados altamente questionáveis, que terão recontagem obrigatória. Na Pensilvânia, por exemplo, nossos observadores legais foram impedidos de acesso para acompanhar o processo de contagem. Votos legais decidem quem é o presidente, não a imprensa.

Começando na segunda-feira, nossa campanha vai começar a trabalhar nosso caso na corte para garantir que as leis eleitorais sejam respeitadas completamente e que o vencedor por direito seja confirmado. O povo americano tem direito a uma eleição honesta. Isso significa contar todas as cédulas, e não contar nenhuma cédula ilegal. Essa é a única maneira de garantir ao público confiança total em nossa eleição. Segue chocante que a campanha de Biden se recuse a concordar com princípios básicos e queiram cédulas contadas mesmo que sejam fraudulentas, manufaturadas, ou enviadas por eleitores inelegíveis. Só um partido engajado em transgressões poderia manter injustamente observadores fora das salas de contagem - e então lutar na corte para bloquear seus acessos.

Então, o que Biden está escondendo? Eu não vou descansar enquanto o povo norte-americano não tenha a contagem de votos que merece e que a democracia demanda"

*Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as agências de notícias e veículos de comunicação como AFP, AP e Fox fazem extrapolações estatísticas e apontam os vencedores por estado.

Eleições Americanas