PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

EUA somam 1.707 novas mortes por covid-19, maior balanço diário em 6 meses

Com os números de hoje, os EUA ultrapassaram a marca de 250 mil mortos pelo novo coronavírus - Mehmet Emin Menguarslan/Anadolu Agency
Com os números de hoje, os EUA ultrapassaram a marca de 250 mil mortos pelo novo coronavírus Imagem: Mehmet Emin Menguarslan/Anadolu Agency

Do UOL, em São Paulo

18/11/2020 20h44Atualizada em 18/11/2020 20h50

Os Estados Unidos superaram hoje a marca dos 250 mil mortos pela covid-19, com 1.707 novos óbitos registrados nas últimas 24 horas, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. É o maior balanço diário em mais de seis meses, desde 14 de maio.

O país, que totaliza agora 250.029 óbitos pelo novo coronavírus, detém de longe o maior registro nacional de vítimas da doença, à frente de Brasil (167.455 mortos), Índia (130.993) e México (99.026).

O presidente Donald Trump tem desqualificado insistentemente a ameaça do vírus, raramente usando máscara e promovendo grandes comícios lotados de simpatizantes durante a campanha para as eleições de 3 de novembro, nas quais foi derrotado pelo democrata Joe Biden.

Distanciamento social, uso de máscaras e outras medidas são seguidas de forma errática em algumas regiões do país, apesar de um aumento crescente no número de casos e mortes.

O país agora registra rotineiramente mais de mil mortos e 150 mil novos casos por dia.

Devido ao aumento de casos, a cidade de Nova York voltará a fechar as escolas públicas nesta semana e retomará algumas restrições a bares e restaurantes.

A boa notícia é que duas candidatas à vacina — da Pfizer/BioNTech e da Moderna — tiveram um bom desempenho em testes recentemente, gerando esperanças para os EUA e para o resto do mundo. O presidente eleito Joe Biden pediu que os americanos usem máscaras e façam distanciamento social até que um imunizante esteja amplamente disponível.

A covid-19 já matou mais de 1,3 milhões de pessoas no planeta desde que a doença emergiu, em dezembro do ano passado, de acordo com a Johns Hopkins.

(Com AFP)

Coronavírus