PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
10 meses

Idosa é processada por condomínio nos EUA por alimentar gatos na rua

Joan se defende argumentando que alimenta única e exclusivamente Cleo, seu gato bicolor - Getty Images/iStockphoto
Joan se defende argumentando que alimenta única e exclusivamente Cleo, seu gato bicolor Imagem: Getty Images/iStockphoto

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/02/2021 16h34

Um condomínio localizado em Tampa, no estado norte-americano da Flórida, está processando uma idosa de 78 anos por ela alimentar gatos na rua. A ação judicial, aberta no início de janeiro, não é a primeira contra a Joan Hussey, que já havia recebido uma ordem extraoficial para não repetir a atividade.

O processo não especifica o número de gatos ou outros animais que Joan supostamente alimenta. Contudo, a administração afirma que a idosa atrai gatos "vadios" para o condomínio, prática que pode induzir a "problemas de saúde indesejáveis aos vizinhos".

Em sua defesa, Joan afirma que só alimenta um gato bicolor chamado Cleo, que ela resgatou anos atrás. "Tive gatos durante toda a minha vida e o alimento com respeito", disse a idosa para o jornal Tampa Bay Times.

Joan ainda explicou que coloca uma tigela de comida de gato embaixo do carro dela, em uma vaga coberta, e pega a tigela de volta ao ver que o animal já terminou de comer.

O imbróglio condominial acontece desde o ano passado, quando a administração do condomínio decidiu levar o caso com os gatos para uma arbitragem, um processo necessário antes que essa categoria de disputa judicial vá para um tribunal.

O resultado do litígio inicial foi desfavorável à idosa, que recebeu uma ordem para parar de alimentar gatos no condomínio. Joan, no entanto, não cumpriu a determinação da arbitragem pois, segundo ela, não era possível entender o "jargão do advogado" nos documentos que recebeu.

Consternada com a desobediência da moradora, a administração logo decidiu levar o caso para esferas superiores. Com isso, o litígio será julgado na justiça comum, onde os advogados do condomínio pedem uma ordem oficial para que Joan pare de alimentar os gatos, além de uma indenização financeira.

Ainda não há data marcada para a audiência. Até lá, Joan segue perdendo o sono por conta da intimação recebida.

"Vou para a cama à noite e não consigo dormir pensando nisso", lamentou a idosa.

Internacional