PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Tribunal de Bogotá autoriza condenada a ser modelo de webcam em site adulto

Uma mulher condenada a 4 anos e 6 meses de prisão domiciliar, por fabricar e portar drogas ilícitas, obteve autorização para trabalhar como modelo em um site adulto - Reprodução/NoticiasCaracol
Uma mulher condenada a 4 anos e 6 meses de prisão domiciliar, por fabricar e portar drogas ilícitas, obteve autorização para trabalhar como modelo em um site adulto Imagem: Reprodução/NoticiasCaracol

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/02/2021 16h55

Uma mulher que foi condenada em 2016 a quatro anos e meio de prisão domiciliar pelo crime de fabricação e porte de drogas ilícitas obteve, no início deste mês de fevereiro, uma autorização do Tribunal Superior de Bogotá para trabalhar como modelo de webcam em um site adulto.

De acordo com o portal colombiano Notícias Caracol, a condenada, que não teve a identidade revelada, espera ter a pena reduzida ao realizar o ofício na indústria de entretenimento para maiores de 18 anos.

"Isso [realizar um trabalho] serve de desconto para a minha pena porque é um trabalho normal. Eles dão desconto de 8 horas por dia e 12 horas [caso o detento esteja] em estudo [em alguma instituição de ensino]", explicou a detenta.

"Então, sendo assim, vou ver se consigo sair desse processo [de encarceramento] rapidamente, que não foi nada fácil", completou a mulher, que é vigiada com uma pulseira de rastreamento do Inpec (Instituto Nacional Penitenciário e Carcerário).

A condenada terá que cumprir uma programação de trabalho rígida, com horários e rastreamento via GPS para verificar se ela sai de casa de manhã e se dirige até o estúdio onde trabalha.

"[As autoridades] me dão os horários que devo cumprir. Tenho que sair de casa por volta das 7h e pegar o ônibus . Se eu saio às 15h, tenho que estar em casa às 16h. Não vou estragar minha licença [para trabalhar]", afirmou a mulher.

A dona do estúdio onde a condenada trabalha, Daniela Guzmán, defendeu que ela tenha a oportunidade de ter um emprego. "Ela é uma mãe que é a chefe de família e que cometeu um erro no passado, mas o presente é para lhe dar outra chance", disse.

Internacional