PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Mulher gasta R$ 8,5 mil em iPhone 12 e recebe um iogurte de maçã na China

Uma mulher ligou para a polícia depois que recebeu um iogurte em vez de um iPhone 12 - Reprodução/Weibo
Uma mulher ligou para a polícia depois que recebeu um iogurte em vez de um iPhone 12 Imagem: Reprodução/Weibo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/03/2021 09h10

Uma mulher acionou a polícia depois de comprar um iPhone 12 Pro Max online e receber uma caixa de iogurte em vez do aparelho. O caso, que ocorreu na província de Anhui, no leste da China, viralizou na rede social chinesa Weibo na sexta-feira (26).

A compradora, cujo sobrenome é Liu, relata em um vídeo que pagou mais de 10 mil yuans (cerca de R$ 8,6 mil) no celular na loja oficial da Apple no dia 16 do mês passado. Porém, tudo que recebeu foi uma caixinha de iogurte de maçã.

O pacote contendo o iogurte não foi entregue diretamente nas mãos de Liu por um carteiro, de acordo com o site Global Times. "O carteiro disse que colocou o pacote em um armário de pacotes em minha comunidade residencial, e eu não reclamei", afirma ela, no vídeo.

A polícia local disse que está investigando o caso, que parece ser de furto. A empresa responsável pela entrega do produto, a EMS (Express Mail Service) e a Apple também declararam que o episódio está sendo apurado.

No Weibo, vários chineses especularam o que poderia ter ocorrido com o pacote, apontando para a possibilidade de algum funcionário do serviço postal ter pego o celular durante o processo de entrega. O especialista jurídico Zhang Bo não descartou essa possibilidade.

Bo apontou também que pode se tratar de um caso de fraude organizado caso Liu tenha comprado o aparelho por engano em um site clonado, que se passava pela "plataforma oficial" da Apple.

Ou algum erro na embalagem pode ter dificultado o processo de enviar o item corretamente. "Se foram os funcionários da Apple enviando por engano um item errado, Liu pode pedir à Apple para compensá-la e dar a ela um novo iPhone", disse o especialista.

Internacional