PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
2 meses

EUA: Cerca de 60% com mais de 65 anos receberam ao menos uma dose da vacina

Imagem ilustrativa de vacina; a vacinação de idosos é importante porque eles fazem parte do grupo de risco para a covid-19 - Karl-Josef Hildenbrand/picture alliance via Getty Images
Imagem ilustrativa de vacina; a vacinação de idosos é importante porque eles fazem parte do grupo de risco para a covid-19 Imagem: Karl-Josef Hildenbrand/picture alliance via Getty Images

Do UOL, em São Paulo

09/03/2021 14h24

Cerca de 60% das pessoas com 65 anos ou mais receberam ao menos uma dose da vacina contra covid-19 nos Estados Unidos, segundo uma análise de dados dos CDCs (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) e do Censo do país feita pela emissora norte-americana CNN.

De acordo com o levantamento, cerca de 30% dos residentes no país que têm 65 anos ou mais estão totalmente vacinados, o que significa que já receberam duas doses das vacinas desenvolvidas pelas farmacêuticas Pfizer/BionTech ou Moderna, ou uma injeção da vacina da Johnson & Johnson, que é de dose única. Os três imunizantes foram aprovados para uso pelas autoridades reguladoras do país.

A vacinação de idosos é importante porque eles fazem parte do grupo de risco para a covid-19. Segundo dados do CDC, pessoas de 65 a 74 anos têm 35 vezes mais probabilidade de serem hospitalizadas e 1.100 vezes mais chances de morrer em decorrência da covid-19, em comparação com alguém de 5 a 17 anos.

Já pessoas com idades entre 75 e 84 anos têm 55 vezes mais chances de serem hospitalizadas e 2.800 vezes mais chances de morrer. Pessoas com 85 anos ou mais têm 80 vezes mais chances de serem hospitalizadas e 7.900 vezes mais chances de morrer.

Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que o país tem doses suficientes para vacinar cada americano adulto contra a covid-19 até o final de maio. Mais de 90 milhões de doses de vacinas já foram aplicadas.

Os Estados Unidos registram mais de 29 milhões de casos confirmados de covid-19 e 524.001 mortes em decorrência da doença, de acordo com balanço da Universidade Johns Hopkins.

Internacional