PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Oficial da Dinamarca desmaia em coletiva sobre vacina contra a covid-19

Diretora da Agência de Medicamentos da Dinamarca desmaia durante coletiva - Reprodução/Twitter
Diretora da Agência de Medicamentos da Dinamarca desmaia durante coletiva Imagem: Reprodução/Twitter

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/04/2021 11h51

A diretora da Agência de Medicamentos da Dinamarca, Tanja Erichsen, desmaiou ontem ao vivo durante coletiva de imprensa que anunciava o abandono da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. A Dinamarca retirou seu programa o imunizante por uma preocupação com os "raros, mas graves" efeitos colaterais.

A cena aconteceu enquanto o diretor do Conselho Nacional de Saúde, Soren Brostrom, explicava sobre a medida à imprensa local. Nas imagens, Tanja passa mal e cai ao lado do colega no púlpito. Imediatamente, o diretor socorre Tanja ao lado de outros participantes da coletiva.

Tanja foi colocada em uma posição lateral trancada enquanto uma ambulância era chamada. De acordo com a imprensa local, ela foi levada ao hospital para ser submetida a exames por preocupação, e se recuperou no mesmo dia.

A Dinamarca foi o primeiro país a deixar a vacina da AstraZeneca na Europa. A decisão foi tomada após a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), investigar uma relação entre o imunizante e coágulos sanguíneos desenvolvidos por pessoas que foram imunizadas.

"Baseando-se em análises científicas, nossa avaliação geral é de que existe um risco real de efeitos colaterais graves associados ao uso da vacina anti-Covid-19 da AstraZeneca. Portanto, decidimos remover a vacina de nosso programa de imunização", disse o diretor-geral da Autoridade Sanitária da Dinamarca, Soren Brostrom, por meio de comunicado.

Além da retirada da vacina da AstraZeneca, a Dinamarca decidiu suspender o imunizante da Janssen, recém-chegada no país, que está sob análise nos Estados Unidos. Nesta semana, a FDA, agência reguladora americana, recomendou a suspensão da aplicação da vacina.

Internacional