PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Com a covid em alta na região, países vizinhos da Índia fecham fronteiras

30.abr.2021 - Parentes coletam os restos mortais de vítimas do coronavírus após cremação em massa em Nova Déli, na Índia - Tauseef Mustafa/AFP
30.abr.2021 - Parentes coletam os restos mortais de vítimas do coronavírus após cremação em massa em Nova Déli, na Índia Imagem: Tauseef Mustafa/AFP

Colaboração para o UOL*

05/05/2021 14h59

Os casos de covid-19 aumentaram rapidamente nos países vizinhos da Índia, como Paquistão e Bangladesh. Em meio a temores sobre a segunda onda catastrófica da Índia e variantes mais contagiosas do vírus, países vizinhos cancelaram voos e fecharam fronteiras.

Segundo reportagem do jornal britânico The Guardian, o vizinho que parece ter sido mais atingido até o momento é o Nepal, que registrou três dias consecutivos de mais de 7.000 novas infecções, incluindo casos da variante dupla mutante detectada pela primeira vez na Índia e na variante do Reino Unido.

O Nepal compartilha uma fronteira - fechada por um tempo durante a primeira onda da Índia no ano passado - com cinco estados indianos, e um grande número de nepaleses vive e trabalha na Índia. Na quarta-feira, as autoridades prorrogaram o bloqueio em Kathmandu e distritos vizinhos por mais uma semana, já que o país registrou o maior número de mortes e infecções diárias em covid.

O ministério da saúde disse na terça-feira que mais 7.660 pessoas tiveram teste positivo e 55 morreram, em uma população de 24 milhões. "A situação é realmente assustadora", disse Prakash Thapa, médico do hospital Bheri em Nepalgunj, ao The Guardian.

Como outros países da região, o Nepal está lutando contra a escassez de vacinas. "As pessoas que já tomaram a primeira dose terão dificuldades se não receberem a segunda dose dentro do tempo estipulado", disse Samir Adhikari, funcionário do ministério da saúde.

Isso levou o primeiro-ministro, KP Sharma Oli, a instar os doadores estrangeiros a fornecer vacinas e remédios para cuidados intensivos para evitar o colapso da precária infraestrutura de saúde do país.

O Paquistão também tem enfrentado uma crescente sensação de crise nos últimos dias e há temores de que o festival religioso Eid, que marca o fim do Ramadã, possa provocar um novo surto de infecções, como aconteceu no ano passado.

No início desta semana, o Paquistão anunciou que estava reduzindo o número de voos internacionais de entrada para 20% do serviço normal a partir de 5 de maio e que estenderia os feriados do Eid. Na semana passada, a província de Sindh, no Paquistão, detectou casos das variantes do coronavírus sul-africano e brasileiro. Na segunda-feira, o Paquistão registrou 161 novas mortes, o segundo maior número na pandemia.

Apenas cerca de 2 milhões de pessoas foram vacinadas até agora no país de 220 milhões, a taxa mais baixa do sul da Ásia. A hesitação em relação à vacinação, alimentada pela propaganda, está se mostrando um obstáculo.

O maior hospital público do Paquistão, o Instituto de Ciências Médicas do Paquistão em Islamabad, está sem leitos e seus médicos foram impedidos de falar com a mídia. "A situação é terrível", disse um médico, falando anonimamente ao The Guardian.

"Estamos esgotando nossos recursos. A maioria das enfermarias que não são da Covid foram transformadas em enfermarias da Covid, mas não temos espaço para pacientes [de entrada]. Precisamos de mais enfermeiras, remédios e, acima de tudo, precisamos de espaço. Precisamos de especialistas e médicos de cuidados intensivos. "Em primeiro lugar, não importamos vacinas suficientes e alguns hesitam em se vacinar", acrescentou o médico.

Covid 19 na Índia

A Índia respondeu por quase metade dos casos de coronavírus relatados globalmente na semana passada, informou a OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta quarta-feira, quando as mortes da nação do sul asiático aumentaram um recorde de 3.780 nas 24 horas anteriores.

Em um relatório semanal, a OMS disse que a Índia respondeu por 46% dos casos globais e 25% da mortes relatadas em todo o mundo na última semana.

As infecções diárias aumentaram 382.315 nesta quarta-feira, o 14º dia seguido acima de 300 mil, mostraram dados do Ministério da Saúde.

O governo do primeiro-ministro, Narendra Modi, é muito criticado por não agir mais cedo para conter a segunda onda, já que eventos de grande disseminação, como festivais religiosos e comícios políticos, atraíram dezenas de milhares de pessoas.

"Precisamos de um governo. Desesperadamente. E não temos um. Estamos ficando sem ar. Estamos morrendo", escreveu Arundhati Roy, autora vencedora do Prêmio Booker, em um artigo de opinião pedindo que Modi renuncie.

* Com informações da Reuters

Internacional