PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Irmãos egípcios batem recordes de maiores mãos, pés e envergadura do mundo

Os irmãos recordistas: Huda e Mohamed Shehata - Guinness World Records
Os irmãos recordistas: Huda e Mohamed Shehata Imagem: Guinness World Records

Colaboração para o UOL, em São Paulo

17/06/2021 13h42Atualizada em 17/06/2021 13h45

Os irmãos egípcios Mohamed e Huda Shehata fizeram história ao entrar para o Guinness World Records, anunciou o livro dos recordes. A dupla conquistou ao todo cinco recordes impressionantes, por conta de seu tamanho.

Mohamed Shehata, de 34 anos, e Huda, de 30, desenvolveram ainda na fase infantil uma condição que faz com que seus hormônios do crescimento sejam produzidos em larga escala. A doença foi causada por um tumor benigno da glândula pituitária.

Assim, a dupla possui uma altura maior que a média. Combinados, eles medem 4,144 m, o equivalente a um ônibus de dois andares.

Mohamed quebrou dois recordes: o homem vivo mais largo do mundo, com uma envergadura dos braços de 250,3 cm; e o homem vivo com maior largura de mãos, pois sua mão esquerda mede 31,3 cm.

Huda, por sua vez, conquistou os títulos de maiores pés de uma mulher viva, 33,1 cm; maiores mãos de uma mulher viva, 24,3 cm; e ainda, maior envergadura dos braços em uma mulher viva, 236,3 cm.

Kenzy Defrawy, assessora do Guinness World Records, viajou até o Egito para conhecer os irmãos e medir oficialmente seus membros.

Egípcio recorde - Guinness World Records - Guinness World Records
Mohamed Shehata medindo a envergadura dos braços
Imagem: Guinness World Records

"Espero que o reconhecimento do título do Guinness World Records mude minha vida para sempre. Sempre sonhei em me vestir como as outras mulheres, mas agora me aceito e vivo com satisfação e convicção", disse Huda ao Guinness.

"Tudo parece pequeno em minhas mãos, até mesmo apertar a mão das pessoas tornou-se um lembrete de como sou diferente dos outros", afirmou Mohamed

Os irmãos moram com a mãe Rouhiy, em um vilarejo que fica a uma hora de distância da capital Cairo. Desde os 12 anos, pouco antes da puberdade, as características físicas dos egípcios começaram a mudar drasticamente.

Como o processo de crescimento de ambos ainda está em evolução, é possível que eles precisem passar por procedimento cirúrgico para impedir que cresçam mais e prejudiquem outras áreas de seus corpos e vidas.

Internacional