PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Mais de 100 americanos seguem no Afeganistão e querem sair, diz secretário

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, anunciou que "nova missão diplomática" começa no Afeganistão - Jonathan Ernst/Pool/Reuters
O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, anunciou que 'nova missão diplomática' começa no Afeganistão Imagem: Jonathan Ernst/Pool/Reuters

Do UOL, em São Paulo

30/08/2021 20h34

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, disse em pronunciamento à imprensa hoje que "um pequeno número" de norte-americanos continua no Afeganistão e ainda quer sair de lá.

Ele estimou que o número seja "menor que 200, e provavelmente mais próximo de 100".

"Estamos tentando determinar exatamente quantas pessoas são. Estamos analisando listas, ligando e mandando mensagens", disse Blinken.

Mais cedo, os EUA anunciaram o fim da retirada do Afeganistão, com os últimos aviões militares deixando a capital Cabul, terminando uma guerra de 20 anos.

O secretário afirmou que o compromisso dos EUA com esses norte-americanos que continuam no país do Oriente Médio continua, independentemente de quando eles queiram partir.

"Há pessoas que moram lá há muito tempo, têm família lá, é uma escolha dolorosa", disse. "Se eles disserem que querem permanecer, e uma semana, um mês depois, mudarem de ideia, vamos ajudá-los. Nosso compromisso com eles não têm data-limite".

Mais cedo, o general-comandante do Comando Central, Kenneth McKenzie, afirmou que não havia nenhum americano nos últimos cinco aviões que deixaram Cabul.

Segundo uma nota do presidente Joe Biden, mais de 120 mil pessoas —entre norte-americanos, afegãos e de países aliados dos EUA— foram evacuadas nos últimos 17 dias.

'Missão militar acabou e missão diplomática começa'

O secretário Blinken disse que o fim da retirada militar marca o início de "um novo capítulo" das relações com o Afeganistão.

"A missão militar acabou e uma nova missão diplomática começa", afirmou.

Ele disse que os EUA suspenderão a presença diplomática em Cabul, por ora, e que a operação será transferida para Doha, no Catar. "Dado o ambiente incerto de segurança e a situação política no Afeganistão, era o passo mais prudente a tomar".

Talibã celebrou retirada

Pouco após a confirmação do fim da ocupação norte-americana, o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, celebrou. No Twitter, ele escreveu que o país tornou-se "totalmente livre e independente".

Depois da confirmação da retirada dos últimos soldados americanos, tiros foram ouvidos em diferentes postos de controle do Talibã em Cabul, segundo relatos de jornalistas da AFP. Também no Twitter, Mujahid confirmou que os tiros eram de comemoração e tranquilizou a população.

"Os sons de tiros em Cabul são tiros de alegria com a retirada das tropas americanas, e os cidadãos não precisam ficar preocupados. Estamos em processo de superação", escreveu Mujahid.

Internacional