PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Brasileiro morto em acidente de avião matou 3 mulheres nos EUA, aponta DNA

O brasileiro Roberto Fernandes, morto em 2005, foi identificado como o responsável pela morte de três mulheres na Flórida, nos EUA, há duas décadas - Broward Sheriff"s Office / City of Miami Police Department / News4jax
O brasileiro Roberto Fernandes, morto em 2005, foi identificado como o responsável pela morte de três mulheres na Flórida, nos EUA, há duas décadas Imagem: Broward Sheriff's Office / City of Miami Police Department / News4jax

Do UOL, em São Paulo

01/09/2021 06h53Atualizada em 01/09/2021 13h17

Um brasileiro que morreu em um acidente de avião em 2005 foi o responsável pelo assassinato de três mulheres na Flórida (EUA) há duas décadas. Duas foram colocadas em bolsas abandonadas em uma estrada. Já o corpo da terceira vítima foi jogado em um rio, segundo a polícia.

Gregory Tony, xerife do condado de Broward, disse ontem que um exame de DNA possibilitou identificar Fernandes como autor dos crimes. Ele descreveu o brasileiro como um serial killer em potencial e não descarta a possibilidade de que ele tenha feito mais vítimas, segundo a agência Associated Press.

Fernandes fugiu para o Brasil em 2001 logo depois que o corpo de sua última vítima foi descoberto em Miami. Na época, a polícia queria interrogá-lo sobre o assassinato, mas o Brasil não tem tratado de extradição com os EUA.

Uma impressão digital e algumas amostras de DNA foram descobertas na cena do crime, mas nenhuma correspondência foi encontrada inicialmente nos bancos de dados criminais. Isso até recentemente, quando um juiz autorizou a exumação do corpo do suspeito, que foi enterrado no Brasil.

No Brasil, Fernandes foi absolvido da acusação de assassinato de sua esposa. Ele alegou legítima defesa. Scott disse que a família da mulher não concordou com a decisão e ameaçou Fernandes, que fugiu para o Paraguai, onde morreu em um acidente aéreo em 2005.

Com a notícia de sua morte, as autoridades foram procurar o túmulo do suspeito. "Tivemos que confirmar se a morte era real ou não", explicou o sargento Nikoli Trifonov. "As pessoas podem fingir sua morte, especialmente depois de cometer um assassinato".

Com o DNA dele, foi possível concluir os três casos de homicídio. "Essa foi uma prova-chave", disse o detetive Zach Scott, de Broward, em entrevista a jornalistas.

As vítimas

A primeira vítima de Fernandes foi Kimberly Dietz-Livesey, encontrada morta em 22 de junho de 2000 em Cooper City, Flórida. Seu corpo estava muito machucado e foi abandonado dentro de uma mala, em uma estrada.

Em 9 de agosto do mesmo ano, o corpo de Sia Demas foi encontrado, também com indícios de espancamento. A vítima também estava dentro de uma bolsa, deixada em uma estrada perto de Dania Beach, Flórida.

Um ano depois, em 30 de agosto de 2001, o corpo de Jessica Good foi encontrado flutuando na Baía de Biscayne, em Miami. Ela foi esfaqueada.

Todas as três mulheres tinham problemas de abuso de substâncias e recorreram à prostituição para sustentar seus hábitos, disseram os investigadores.

A polícia acredita que como Fernandes trabalhou para uma empresa de turismo em Miami e também como comissário de bordo, pode ter feito outras vítimas. "Acredito que haja outros casos por aí. Não havia limite para onde ele poderia viajar ", disse Scott.

*Com informações da AFP

Internacional