PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Pai processa escola em R$ 5 milhões após professora cortar cachos da filha

O pai de Jurnee descobriu que uma professora e uma bibliotecária cortaram o cabelo da filha sem permissão - Reprodução/Redes Sociais
O pai de Jurnee descobriu que uma professora e uma bibliotecária cortaram o cabelo da filha sem permissão Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Colaboração para o UOL

17/09/2021 12h17Atualizada em 17/09/2021 15h38

O pai de uma menina de sete anos que teve o cabelo cacheado cortado por uma professora e uma bibliotecária sem permissão da família, está processando a escola e as funcionárias em US$ 1 milhão (R$ 5,3 milhões). O caso aconteceu no estado de Michigan, nos EUA.

O pai da criança, Jimmy Hoffmeyer, relatou que em março a menina teve os cabelos cortados sem autorização pelas funcionárias da escola. Ele acredita que a criança sofreu preconceito racial e que os direitos constitucionais de sua filha foram violados e tirou a filha da escola.

Uma investigação concluiu em julho que, embora a professora tenha violado a política da escola, ela não teria agido com preconceito racial. Ela foi repreendida, mas teve permissão para manter seu emprego na Ganiard Elementary School, em Mount Pleasant, Michigan.

Em abril, Hoffmeyer disse à Associated Press que sua filha Jurnee havia voltado da escola um dia com grande parte do cabelo de um lado da cabeça cortado. Um colega de classe teria usado uma tesoura para cortar os longos cabelos cacheados da menina em um ônibus escolar, segundo ele contou.

Dois dias depois, Jurnee voltou da escola para casa com o cabelo do outro lado da cabeça cortado - embora ela tenha sido levada a um cabeleireiro que lhe deu um corte assimétrico para tornar os diferentes comprimentos menos óbvios.

Hoffmeyer disse que acreditava que outra criança cortou o cabelo da filha, mas a menina afirmou que havia sido uma professora.

O processo foi aberto em um tribunal federal no oeste de Michigan contra a escola pública de Mount Pleasant e as duas funcionárias envolvidas. Além de violar os direitos constitucionais da criança, a ação também alega discriminação racial, intimidação étnica, imposição intencional de sofrimento emocional e agressão.

A escola "falhou em treinar, monitorar, dirigir, disciplinar e supervisionar adequadamente seus funcionários e sabia ou deveria saber que os funcionários se envolveriam no comportamento denunciado devido ao treinamento, costumes, procedimentos e políticas impróprios e a falta de disciplina para os funcionários ", diz o processo.

Nenhuma resposta formal ainda foi apresentada pelos réus e a escola não comentou publicamente o caso.

Internacional