PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Abelhas supostamente matam pinguins ameaçados de extinção na África do Sul

Imagem meramente ilustrativa de pinguins  - Robert Pastryk por Pixabay
Imagem meramente ilustrativa de pinguins Imagem: Robert Pastryk por Pixabay

Colaboração para o UOL

21/09/2021 00h37

Na África do Sul, 63 pinguins africanos, espécie ameaçada de extinção, foram encontrados mortos. A suspeita é que os animais tenham sido atacados por abelhas. O caso é acompanhado pela unidade de conservação de parques do país, a South African National Parks (SANParks). O caso está sendo investigado.

As aves foram encontradas sem vida em uma colônia em Simonstown, perto da Cidade do Cabo, na África do Sul. De acordo com a investigação, os animais teriam sido mortos entre a tarde de quinta-feira (16) e a manhã de sexta-feira (17).

Até o momento, os especialistas identificaram picadas de abelhas nos corpos dos pinguins. Além disso, diversas abelhas foram encontradas sem vida perto da região onde os corpos das aves foram localizados.

De acordo com nota do SANParks, é possível que os pinguins tenham sido atacados por um enxame do Cabo. Contudo, amostras de resíduos foram colhidas para detectar outras possíveis causas das mortes. No comunicado, a bióloga marinha Alison Kock informou que, até o momento, nenhum outro pinguim africano foi encontrado morto na região.

Em entrevista à AFP, o veterinário David Roberts, da Fundação de proteção ao pássaros da África do Sul (Southern African Foundation for Conservation of Coastal Birds, ou SANCCOB), informou que trata-se de um caso raro e que os especialistas acreditam que o fato não deva se repetir facilmente.

Encontrados nas costas da África do Sul e da Namíbia, os pinguins africanos são conhecidos por suas características marcantes, como as vozes altas.

Atualmente a espécie encontra-se ameaçada de extinção. No início do século 20, era possível encontrar uma população de mais de um milhão de indivíduos. Em 2010, especialistas registraram apenas 55 mil sobreviventes.

Internacional