PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Menina de 6 anos morre após picada de cobra escondida em vaso sanitário

Menina chegou a ser internada na UTI, mas morreu poucas horas depois em cidade da Arábia Saudita -  New Africa/Shutterstock
Menina chegou a ser internada na UTI, mas morreu poucas horas depois em cidade da Arábia Saudita Imagem: New Africa/Shutterstock

Do UOL, em São Paulo

04/10/2021 23h35Atualizada em 04/10/2021 23h35

Uma menina de seis anos morreu após ser mordida por uma cobra ao sentar no vaso sanitário do banheiro de sua casa, na Arábia Saudita. A família da vítima, identificada como Tamara Abdul Rahman, afirmou que a presença do réptil foi inesperada, já que não é comum encontrar animais do tipo na área residencial da cidade de Abha, onde vivem.

Após a picada, a garota foi levada ao Hospital Central de Assir, mas sua condição médica piorou rapidamente. Ainda no dia do acidente, na quarta-feira (29), ela foi transferida para um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e morreu horas depois, segundo o jornal britânico The Sun.

O pai de Tamara, que não quis se identificar, afirmou que a menina não deve ter checado o vaso sanitário e lamentou, uma vez que a garota estava numa fase muito feliz por retornar às aulas presenciais após o fechamento provocado pela pandemia da covid-19.

"Ela estava feliz de voltar ao ensino presencial na escola, mas o que posso dizer? Foi o desejo de Alá", afirmou o pai. "Eu acredito em Alá e estou satisfeito com tudo. Ele escreve por nós", completou.

"A cobra estava se escondendo no banheiro da nossa casa e, pela idade dela (Tamara), ela não notou que ela estava no banheiro até ser mordida", destacou o homem, lembrando que o caso aconteceu em uma área bastante povoada, com mais de 200 mil habitantes.

Apesar de não ser o caso de Abha, regiões desérticas e montanhosas da Arábia Saudita são conhecidas pela forte presença de cobras, incluindo a víbora de tapete, a víbora com chifres persas e a víbora-de-chifres. A espécie que picou a criança ainda não chegou a ser identificada.

Internacional