PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
5 meses

OMS registra 24 ataques ao sistema de saúde da Ucrânia e 12 mortes

Colaboração para o UOL

09/03/2022 12h51Atualizada em 10/03/2022 10h47

A OMS (Organização Mundial da Saúde) disse hoje que já registrou 24 ataques ao sistema de saúde da Ucrânia desde que a guerra com a Rússia começou, em 24 de fevereiro. Segundo informações oficiais enviadas pela entidade à CNN, esses ataques causaram ao menos 12 mortes e deixaram 27 pessoas feridas.

Em uma entrevista concedida ontem, o diretor-geral da ONU, Tedros Adhanom, havia dito que os ataques eram 18 até então e mortos, 10. Segundo Adhanom, foram atingidos hospitais, ambulâncias e centros de saúde. Nesses ataques, morreram 10 pessoas e outras 16 ficaram feridas.

"Esses ataques afetam toda comunidade mundial da Saúde. A OMS está pedindo a países vizinhos para fornecer acessórios de saúde, especialmente a mulheres e crianças", disse o diretor-geral.

De acordo com a OMS, os principais problemas de saúde apresentados pelos ucranianos são hipotermia, falta de tratamento para doenças cardiovasculares e câncer, além de problemas relacionados à saúde mental.

"A OMS continua pedindo à Federação Russa que encontre solução pacífica para essa crise e libere acesso à ajuda humanitária aos que precisam", apelou o diretor da entidade.

Segundo Mark Ryan, diretor-executivo da OMS, cerca de 1000 centros de saúde estão na linha de frente da guerra ou a 10 km da área mais conflituosa: "O sistema de saúde ucraniano foi engolido nessa crise."

Por causa desse colapso na saúde, ainda de acordo com a entidade, 731 pessoas morreram vítimas da covid-19 na Ucrânia em uma semana, de acordo com OMS.

Mapa Rússia invade a Ucrânia - 26.02.2022 - Arte UOL - Arte UOL
Imagem: Arte UOL

Ucrânia fala em 61 hospitais destruídos

O governo ucraniano fala em um número maior. Segundo o ministro da Saúde Viktor Liashko, a Rússia destruiu 61 hospitais da Ucrânia desde o início da guerra.

Durante a entrevista à emissora ucraniana 1+1 ontem, Liashko especificou que nesses hospitais, como resultado do bombardeio, as janelas foram quebradas, paredes e equipamentos médicos foram danificados. Em particular, o departamento de emergência, inaugurado em 2022, foi destruído em um dos hospitais.

Liashko afirmou, porém, que as ações coordenadas no sistema de saúde não param e os hospitais não fecham.

Rússia volta a descumprir cessar-fogo para saída de civis, diz Ucrânia

A Ucrânia voltou a dizer hoje que a Rússia não está cumprindo o cessar-fogo temporário para saída dos civis de cidades atacadas no país. A evacuação foi retomada nesta quarta-feira (9) a partir das 9h e se encerra às 21h, no horário local (das 4h às 16h, em Brasília). Ontem, autoridades ucranianas já haviam dito que os ataques russos continuavam mesmo com o anúncio do cessar-fogo.

Em Stoyanka, região de Kiev, capital da Ucrânia, por exemplo, forças russas bloquearam 50 ônibus que transportavam pessoas para o corredor humanitário, segundo autoridades ucranianas. "As negociações estão em andamento para desbloquear o tráfego", informou o conselho da cidade de Bucha.

Um hospital infantil de Mariupol também foi atacado pelo exército russo, segundo informou o governo ucraniano. "Uma maternidade no centro da cidade, uma ala infantil e um departamento de medicina interna. Tudo isso foi destruído durante o ataque aéreo russo em Mariupol", disse Pavlo Kyrylenko, chefe da administração regional de Donetsk. Não há informações de vítimas até o momento.