PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

China negocia compra de petróleo russo para aumentar reservas, diz agência

Bombeamento de petróleo em Ufá, na Rússia - Sergei Karpukhin
Bombeamento de petróleo em Ufá, na Rússia Imagem: Sergei Karpukhin

Do UOL, em São Paulo

19/05/2022 12h18

A China está em negociações com a Rússia para a compra de petróleo, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira (19) pela agência de notícias Bloomberg. O objetivo de Pequim seria aumentar os seus estoques de reservas com petróleo russo barato.

De acordo com a publicação, as discussões entre os dois países ocorrem a nível governamental, com envolvimento limitado de empresas petrolíferas. O volume de petróleo negociado não foi informado e também não há garantia de que um acordo seja assinado.

Tanto a China quanto a Índia continuaram comprando os suprimentos da Rússia, mesmo depois de sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e países do Ocidente, em retaliação à invasão promovida pelo Kremlin à Ucrânia em fevereiro.

Os membros da União Europeia estão negociando a imposição de um embargo ao petróleo russo por causa da invasão da Ucrânia, mas as conversações fracassaram esta semana por causa de um veto da Hungria, que depende fortemente das importações de petróleo russo.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou como "suicídio econômico" a política energética dos países da União Europeia em um momento em que o bloco debate embargos ao petróleo e gás.

"Este auto de fé econômico, este suicídio, é um assunto interno dos países europeus. Devemos agir de forma pragmática e com base em nossos próprios interesses econômicos", disse Putin durante uma reunião por teleconferência sobre a indústria petrolífera russa.

A Rússia está enfrentando um declínio na produção de petróleo não visto desde o colapso da União Soviética por causa das sanções ocidentais, que complicam muito a venda do petróleo russo em todo o mundo.

Internacional