Conteúdo publicado há 8 meses

Rússia condena conflito em Israel e critica atuação dos EUA na região

O ministro de relações exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, criticou hoje a política dos Estados Unidos em apoio a Israel. O porta-voz do governo da Rússia, Dmitry Peskov, disse que Moscou acompanha com preocupação o conflito entre Israel e Palestina.

O que aconteceu

Sergei Lavrov condenou o conflito no Oriente Médio, mas apresentou uma posição crítica em relação à narrativa a favor de Israel. Segundo ele, o Ocidente é "míope" se apenas condenar os ataques contra Israel sem considerar a causa da instabilidade.

"Não posso deixar de mencionar a política destrutiva dos Estados Unidos, a qual impede os esforços coletivos dentro da estrutura do quarteto de mediadores internacionais", disse Lavrov a repórteres em Moscou. O quarteto ao qual se referiu é composto por Nações Unidas, União Europeia, Estados Unidos e Rússia.

Lavrov disse ainda que os Estado Unidos tentam monopolizar o diálogo entre israelenses e palestinos e ignoram a necessidade de criação de um Estado palestino independente.

Kremlin pediu paz

Em entrevista coletiva na manhã de hoje, Dmitry Peskov, porta-voz do governo Russo, afirmou que a situação entre Israel e Gaza representa um "grande perigo" para a região.

Peskov defendeu uma saída pacífica. "Nós acreditamos que a situação deve ser trazida de volta para um canal pacífico o quanto antes", disse.

O porta-voz afirmou ainda que a continuação da espiral de violência vai levar a uma escalada e ao crescimento do conflito. "Nós estamos extremamente preocupados", informou.

Segundo o porta-voz do governo, ainda não foi identificada nenhuma vítima russa do conflito. Peskov afirma que o governo está em contato com autoridades israelenses e palestinas e monitora a situação dos cidadãos do país na região.

Continua após a publicidade

A Rússia está em guerra com a Ucrânia há mais de um ano e meio. O país invadiu o vizinho em fevereiro de 2022 e ainda não aceitou negociações para a paz.

*Com informações da Reuters e da agência de notícias russa Tass.

Deixe seu comentário

Só para assinantes