Após tentar Haddad, Ciro diz que chapa com Marina seria "dream team 2"

Daniela Garcia

Do UOL, em São Paulo

  • Marcelo Chello/CJPress/Estadão Conteúdo

    12.mar.2018 - Ciro Gomes (PDT), pré-candidato à Presidência da República, durante evento realizado na Casa do Saber, em São Paulo

    12.mar.2018 - Ciro Gomes (PDT), pré-candidato à Presidência da República, durante evento realizado na Casa do Saber, em São Paulo

Após cortejar o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) como vice de sua chapa na eleição para presidente da República, o pré-candidato Ciro Gomes (PDT) fez um aceno à ex-senadora Marina Silva (Rede) nesta segunda-feira (12). Ao UOL, o pedetista afirmou que deverá marcar uma conversa com a também pré-candidata ao Planalto.

O UOL apurou que há entusiastas tanto do PDT quanto da Rede pela união. A aliança, contudo, enfrentaria dificuldades de se consolidar, pois ambos políticos desejam ocupar a cabeça da chapa.

O ex-ministro sinalizou em evento nesta noite, em São Paulo, que a união com Marina pode fazer parte de seu plano na corrida eleitoral. "[A chapa com Marina seria o] dream 2. Você pode usar o two, de dois, ou too [também, em inglês] para o Bolsonaro entender direitinho", disse, a jornalistas.

Na análise de Ciro, a pré-candidata da Rede está em um campo político "isolado", que não responde nem pelo centro-esquerda ou centro-direta. "Ela entra com muita dificuldade de posicionamento". 

Ciro já falou em diversas ocasiões, e reiterou na semana passada, durante o lançamento oficial de sua pré-candidatura, que uma chapa formada por ele e Haddad seria um "dream team" (time dos sonhos, em inglês). No entanto, o PT já lançou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como pré-candidato em chapa própria. A candidatura do petista ainda depende de um aval da justiça eleitoral, já que, em tese, ele está inelegível pela Lei da Ficha Limpa por uma condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP).

No último Datafolha, divulgado em 31 de janeiro, Lula liderou os cinco cenários em que foi testado. Sem ele, a primeira posição ficou com Jair Bolsonaro. Marina Silva variou entre a segunda e a terceira posição, sempre atrás do ex-presidente e do deputado federal. Ciro Gomes chegou a aparecer na vice-liderança das intenções de voto nos cenários sem Lula e sem Marina. O ex-ministro flutuou entre 6% e 13%.

Ciro voltou a afirmar que irá ao segundo turno contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), mas provocou dizendo que o deputado federal Jair Bolsonaro seria o o adversário preferido.

"Ninguém escolhe adversário. Mas se eu pudesse escolher, escolheria ir com ele [Bolsonaro], porque a minha candidatura representaria todo lado civilizado e isso anteciparia e muito o debate que eu gostaria para o país", disse.

Sem acordo com o mercado

Questionado sobre como será o diálogo com o mercado, Ciro afirmou que baseará o seu plano de governo econômico nos interesses dos trabalhadores.

"[Os interesses do mercado] são respeitabilíssimos, mas [o mercado] haverá de se subordinar aos interesses de quem trabalha ou de quem produz se eu, um dia, servir ao Brasil como presidente da República", disse.

Ciro também rejeitou tomar uma atitude como a de Lula, na campanha de 2002, ao enviar uma Carta ao Povo Brasileiro com intuito de acalmar o mercado. "Jamais assinaria aquela carta. Aquilo subalterniza a autoridade do presidente, elege no lugar do povo uma força que não deveria prevalecer sobre o conjunto da população", disse.

Político de visão de desenvolvimentista, Ciro fez um discurso contra a desconfiança do mercado. "No meu governo não haverá susto, já disse e quero repetir, ninguém precisa ter medo, não haverá susto."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos