Tiririca recebe R$ 1,2 mi, faz chacotas em propagandas e tenta puxar votos

Leonardo Martins e Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução

    Em propaganda de TV, Tiririca diz que enganou os eleitores

    Em propaganda de TV, Tiririca diz que enganou os eleitores

Em busca de seu terceiro mandato e da segunda reeleição como deputado federal, o palhaço Francisco Everardo Oliveira Silva, conhecido como Tiririca (PR-SP), tem adotado o humor escrachado em suas inserções e propagandas no horário eleitoral de rádio e TV. Desde o início da campanha, ele já imitou Neymar, a cantora Jojo Todynho, brincou com a Lava Jato, com o Posto Ipiranga e admitiu ter enganado o eleitor ao dizer que abandonaria a política.

Para fazer sua campanha neste ano, a maior parte dela na TV, Tiririca declarou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) já ter recebido R$ 1,2 milhão do fundo especial do diretório nacional do PR. A estratégia é utilizar o palhaço, conhecido como "puxador de votos", para criar uma bancada maior na Câmara, repetindo o que ocorreu em 2010 e em 2014. O PR integra o centrão, que apoia a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB).

Kleyton Amorim/UOL
4.ago.2018 - Tiririca abraça Geraldo Alckmin (PSDB) na convenção do PR em Brasília

Tiririca já gastou quase o total recebido, R$ 1,1 milhão. Deste montante, R$ 840 mil (76%) foram investidos em produção de propaganda. O valor foi pago à Fórmula Tecnologia, do deputado Miguel Correa Júnior, envolvida no caso que ficou conhecido como "mensalinho do Twitter".

O esquema, denunciado pelo Ministério Público, estaria ligado ao pagamento de influenciadores de redes sociais para propagação de pautas positivas disfarçadas de notícia. No entanto, a justiça federal entendeu a denúncia como improcedente em 11 de setembro deste ano. Contratar a empresa, portanto, não é ilegal.

Com 1,3 milhão de votos, Tiririca foi eleito o deputado federal de 2010 com maior número de votos no Brasil, com o slogan "pior que tá não fica". Em 2014, com pouco mais de 1 milhão de votos, foi o segundo mais votado de São Paulo.

Ao longo de quase oito anos de mandato, Tiririca foi autor de 59 projetos de lei e outras proposições. Do total, 17 foram arquivados. Apenas um se transformou em lei: o projeto que instituiu o Programa de Cultura do Trabalhador e criou o vale-cultura.

Tiririca imita Jojo e Neymar, e diz enganar eleitor

"Enganei vocês"

Em dezembro de 2017, o deputado afirmou, em discurso na tribuna da Câmara, que estava abandonando a política por estar "decepcionado, mas de cabeça erguida". À época, disse que tinha subido na tribuna "pela primeira vez e última vez".

Oito meses depois de se dizer decepcionado, Tiririca voltou atrás. Ao lado de Alckmin na convenção nacional do PR, o palhaço afirmou, em agosto deste ano, que tentaria voltar à Brasília após ouvir "pedidos do povo". Mas, internamente, integrantes da sigla o veem, desde a primeira vez que ele disputou a eleição, como o "candidato ideal".

Na primeira aparição da campanha de 2018, o palhaço disse na televisão: "Adivinha quem voltou? Duvido vocês adivinhar (sic). Fui eu. O Tiririca. Eu enganei vocês, eu falei que não iria voltar, mas eu voltei. Avisa para o povo. É Tiririca de novo."

"Vocês sabem por que eu decidi voltar? Porque a maioria dos candidatos estão todos presos. Os que não estão talvez podem estar. Eu, não, eu tô solto. Eu tô livre", brincou na segunda aparição pública.

Imitação de Jojo na mira da Justiça

Em outra inserção, o deputado rola em um gramado em referência ao jogador Neymar. Na última, levada ao ar na quinta-feira (20), ele imita a cantora Jojo Todynho durante a execução de uma paródia da música "Que Tiro Foi Esse". A propaganda entrou na mira da PRE-SP (Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo).

Promotoras paulistas apontam que a peça materializa o corpo da mulher como objeto de piada, a fim de chamar a atenção dos eleitores com a finalidade de se promover e angariar votos. Para a promotora Vera Lucia Taberti, que acompanha e fiscaliza as candidaturas femininas na PRE, o vídeo divulgado desrespeita não só as mulheres, como também a democracia.

"Em que pese o lado cômico pelo qual o Tiririca se tornou conhecido, ele não pode tratar as eleições nem as mulheres de forma tão jocosa, fazendo deboche e materializando o corpo da mulher como objeto de piada a fim de chamar a atenção dos eleitores com a finalidade de se promover e angariar votos", afirmou a promotora ao UOL. "Além de desrespeitar a pauta democrática das eleições, faltou respeito com as mulheres que sob nenhum pretexto devem ser ridicularizadas e estereotipadas."

Reprodução
Tiririca se vestiu de Jojo Todynho em propaganda eleitoral

A promotora Fabíola Sucasas, do núcleo de defesa da mulher do MP (Ministério Público), repudiou à reportagem a propaganda do candidato. "Isso demonstra um deboche com a pauta da democracia e o uso do estereótipo da mulher e do funk como instrumento de piada. Fora a representação do uso do corpo da mulher, e, no caso, a piada, para conseguir votos", disse.

O caso está nas mãos do procurador-regional eleitoral Luiz Carlos dos Santos Gonçalves. Ele vai analisar a peça e avaliar se envia uma representação ao TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo).

O diretório nacional do PR afirmou, em nota, que "não comenta iniciativas do Ministério Público ou assuntos que serão objeto do exame do poder judiciário". A assessoria de imprensa de Jojo Todynho afirmou que a artista não tem interesse de se manifestar e de se envolver em assuntos políticos.

Puxador de votos do PR

Assim que Tiririca desistiu da candidatura, o ex-deputado Valdemar Costa Neto, cacique do partido --apesar de não estar mais filiado - e condenado no Mensalão, tentou fazê-lo voltar atrás. O partido entende a importância de um puxador de votos como Tiririca para aumentar a bancada

Eleito em 2014 com 46.905 votos, Capitão Augusto (PR-SP) afirmou à reportagem que, "com certeza, [a presença de Tiririca no partido] ajuda [a puxar votos]. O quociente eleitoral vai ser em torno de 250 mil votos. Ele fazendo 1 milhão [de votos], leva mais três [deputados federais] junto".

Além de Tiririca, a policial Kátia  Sastre é considerada pelo partido como potencial puxadora de votos. Ela matou um criminoso em frente à escola da filha, foi condecorada pelo governador de São Paulo, Márcio França (PSB), e se lançou candidata.

Gilberto Marques/Divulgação
PM homenageada por governador é considerada puxadora de votos do PR

Para Capitão Augusto, o fato de Kátia e Tiririca terem maior destaque nas propagandas do PR não influenciam sua candidatura negativamente. "Meu trabalho é muito direcionado, corpo a corpo. Para mim, não acaba incomodando. Claro que ajudaria estar no rádio e na TV. Ajudaria muito. Mas a gente acaba confiando no diretório, eles sabem o que estão fazendo, não fico implorando tempo", disse.

Ano passado, a Câmara dos Deputados aprovou uma emenda que proíbe, a partir de 2020, alianças e coligações para a disputa do cargo de deputado e vereador. Isso aconteceu porque essas alianças influenciam no chamado "cálculo de quociente eleitoral", que determina o número de vagas que cada partido ou coligação terá direito na Câmara.

Esse cálculo possibilita o chamado "efeito Tiririca", isto é, quando o deputado ou vereador é campeão de votos e acaba elegendo junto consigo outros políticos que não tiveram grande número de votos, mas fazem parte da coligação.

Para Eduardo Grin, professor de ciência política da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Tiririca possivelmente não seria indicado pelo partido se os dirigentes da sigla estivessem à procura apenas de bons quadros. "Não tem projeto apresentado, discursos na tribuna foram raros. É uma estratégia eleitoral do PR para eleger mais deputados, isso fica muito claro", afirma.

PR, presidente da sigla e Tiririca não comentam

O UOL tentou entrar em contato com a assessora parlamentar do candidato, desde o dia 10 de setembro, por ligações e mensagens de WhatsApp para indagar a agenda do candidato. Entre esta quinta e sexta-feira, a reportagem voltou a entrar em contato com a assessoria. Nos dois dias, apesar de sete tentativas de ligação e três mensagens enviadas, não houve retorno até esta publicação.

A reportagem tentou, também, contato com a equipe que coordena as apresentações artísticas do candidato, o PR e o presidente do PR, José Tadeu Candelária. A equipe que coordena o artista Tiririca não soube responder às perguntas.

Tiririca não tem uma agenda oficial de campanha. Em seus eventos artísticos, divulgados em seu Facebook, o palhaço divulga sua agenda de shows pelo Brasil. Neste ano, inclusive, sua página não exibe nenhuma apresentação que ele tenha realizado em São Paulo, cidade pela qual ele disputa eleição.

O presidente do PR informou, através de seu assessor, que só dará entrevistas após o primeiro turno das eleições. "Em ano de eleição e com atividades partidárias de SP e nacionais, tornou-se impraticável uma agenda de imprensa antes do fim do processo eleitoral", justificou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos