Mulheres são "esquecidas" em programas de governo dos presidenciáveis

Renan Truffi e Mariana Haubert

Em Brasília

  • Mauro Pimentel/AFP

    Mulheres preparam porções de açaí na vila de Boa Esperança, dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amana (AM)

    Mulheres preparam porções de açaí na vila de Boa Esperança, dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amana (AM)

Concorrendo em quatro chapas como vice-presidente e em duas como cabeça de chapa, as mulheres não ganharam o mesmo espaço nos programas de governo dos candidatos ao Planalto. Os programas de Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL), por exemplo, dedicam poucas ou nenhuma linha para ações voltadas ao público feminino, de acordo com os documentos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Alckmin escolheu a senadora Ana Amélia (PP-RS) como vice e vem enfatizando que ela garante representatividade às mulheres na sua equipe. O programa tucano traz, no entanto, somente uma única proposta direcionada a elas: "estabelecer um pacto nacional para a redução de violência contra idosos, mulheres e LGBTI e incentivar a criação de redes não governamentais de apoio ao atendimento de vítimas de violência racial e contra tráfico sexual e de crianças".

A campanha do PSDB disse que o programa ainda é uma "versão resumida".

Apesar de ter cotado a senadora Marta Suplicy (MDB-SP) como vice, Meirelles cita as mulheres apenas uma vez no programa. Ele promete "incentivar a redução da diferença salarial entre homens e mulheres, respaldado pela nova lei do trabalho".

Com resistência no eleitorado feminino, Bolsonaro, que convidou a advogada Janaina Paschoal (PSL-SP) para compor chapa, tratar do tema em uma medida principal do programa: "combater o estupro de mulheres e crianças".

Na outra ponta aparecem os candidatos que dedicaram espaço maior a medidas para o público feminino - Guilherme Boulos (PSOL) e Ciro Gomes (PDT). Ambos escolheram mulheres como vices e apresentam medidas para esse público nos planos de governo.

O PT, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato, dedicou um tópico de seu plano para mulheres, assim como Marina Silva, da Rede.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos