PUBLICIDADE
Topo

Política

Após crise nos Transportes, aprovação do governo Dilma cai, diz Ibope

Maurício Savarese <br>Do UOL Notícias

Em Brasília

10/08/2011 12h08

A popularidade do governo da presidente Dilma Rousseff caiu de 56% em março para 48% no fim do mês passado, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira (10). O segundo levantamento foi realizado entre 28 e 31 de julho e contempla a crise no Ministério dos Transportes, que derrubou o ex-titular da pasta, Alfredo Nascimento e mais de 20 outros servidores da pasta.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas nas cinco regiões do país. A sondagem, que tem dois pontos percentuais de margem de erro, mostrou aumento do número de entrevistados que consideram o governo regular: 36% em julho ante 27% em março. Os que avaliam como ruim ou péssimo passou de de 5% para 12%.

Nesse período, também aumentou a percepção de noticiário negativo sobre o governo, subindo de 7% para 25%.

Entre os assuntos mais lembrados sobre o governo até o fim de julho, os entrevistados pelo Ibope colocaram no topo da lista a crise no Ministério dos Transportes (21%) e a demissão do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci (14%). A pesquisa não capta o sentimento popular após a saída do ministro da Defesa, Nelson Jobim, ou sobre as denúncias de corrupção nas pastas da Agricultura e do Turismo.

Apesar da queda, Dilma ainda empata com Lula

“O momento de março é especial, pela entrada de uma nova administração. Houve acomodação de expectativas e isso se reflete nesse pequeno recuo”, disse Flávio Castelo Branco, gerente-executivo de Planejamento Econômico da CNI (Confederação Nacional da Indústria). “A aprovação dela é bastante elevada. O aumento da avaliação negativa é mais pela manifestação de quem tinha se calado do que pela queda".

O percentual mais elevado de aprovação ao governo vem da região Nordeste, com 52% aprovando a gestão de Dilma. Os mais pessimistas estão na região Sul, com 45% endossando a administração do Palácio do Planalto.

Também cresceu acima da margem de erro o número de entrevistados que consideram do governo ruim ou péssimo. Eram cinco por cento em março e agora são 12%. No primeiro levantamento, 11% dos ouvidos não sabiam avaliar a gestão Dilma e na sondagem mais recente esse número passou para 4%.

Avaliação pessoal

A aprovação pessoal da presidente também recuou, de acordo com a sondagem CNI/Ibope. Em março, 73% dos entrevistados consideravam o desempenho de Dilma ótimo ou bom. Em julho, esse número ficou em 67%. Ainda assim, 57% dos ouvidos acreditam que o governo de Dilma está sendo igual ao do antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. Na sondagem anterior, 64% tinham essa visão.

A área mais aprovada do governo Dilma é a do combate à fome, com 57% de aprovação. Esse número também oscilou negativamente, dentro da margem de erro: eram 61% em março. A avaliação mais negativa é na área da saúde, com 69% de desaprovação – ao lado dos impostos. Em março, esse número era de 53%.

Os indicadores são semelhantes aos do governo Lula, mas um número maior de entrevistados acredita que a gestão de Dilma está pior do que a de seu antecessor, diz o Ibope. Em março, esse número era de 13% e agora ele chega a 28%. Na primeira sondagem, 12% dos ouvidos consideravam a administração atual melhor que a anterior. Agora o número é de 11%.

Política