PUBLICIDADE
Topo

Política

Comissão do Senado aprova legalidade do processo que pode cassar mandato de Demóstenes

Demóstenes Torres (esq.) discursou pelo segundo dia consecutivo ontem no Senado e, novamente, alegou que é inocente - Valter Campanato/Agência Brasil
Demóstenes Torres (esq.) discursou pelo segundo dia consecutivo ontem no Senado e, novamente, alegou que é inocente Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Camila Campanerut

Do UOL, em Brasília

04/07/2012 13h30Atualizada em 04/07/2012 14h15

Os integrantes da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovaram, por unanimidade --com 22 votos a 0--, nesta quarta-feira (4) o parecer do senador Pedro Taques (PDT-MT) que verificou que o processo que pode levar à cassação do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) está sendo conduzido de forma legal e em respeito à Constituição.   

Passada esta etapa, o caso será votado em plenário pelos senadores --a data prevista é a próxima quarta-feira, dia 11.  O parlamentar goiano pode perder o mandato pela acusação de quebra de decoro parlamentar pelo envolvimento com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso em fevereiro sob a acusação de comandar um esquema de corrupção, que incluía exploração de jogos ilegais, pagamentos a policiais e trocas de favores com políticos e empresários.

Demóstenes não compareceu à reunião da CCJ e seu advogado, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, fez sua defesa. O advogado afirmou que o senador é vítima de um prejulgamento baseado em provas ilegais e em vazamentos “criminosos”. Kakay disse que as escutas telefônicas que apontam a relação entre Demóstenes e o contraventor Carlinhos Cachoeira foram feitas “de forma ilegal e inconstitucional”. Ele declarou também que o senador foi prejudicado pelo “vazamento [de informações] criminoso, diário e dirigido para que houvesse um prejulgamento nesse processo”.

“É um massacre que dura mais de três meses”, disse o defensor, acrescentando que Demóstenes “quer ser julgado por seus pares e não irá fugir aos debates”.

Kakay também disse que Demóstenes continuará se manifestando sobre o processo por meio de discursos em plenário. O senador já havia dito que vai se defender na tribuna da Casa todos os dias até 11 de julho, data prevista para o julgamento final de seu processo.


Relator defende legalidade

Durante a sessão da CCJ, o senador Pedro Taques (PDT-MT), relator do processo que avalia a cassação de Demóstenes, opinou pela constitucionalidade do caso ao apresentar seu voto. 

Taques afirmou que não cabe a ele rever o mérito da discussão, mas se o processo contra o senador foi conduzido de forma regular. “A competência da CCJ está circunscrita à aferição formal da regularidade do feito (...). Por esse motivo, tenho que não seja possível, nesta oportunidade, manifestar sobre as questões fáticas e de mérito, até porque isso já foi feito pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, instância primeira, a quem compete, inicialmente, tal tarefa”, reiterou.

Taques relembra que o relatório do senador Humberto Costa (PT-PE), aprovado por unanimidade no Conselho de Ética em junho, tinha como conclusão a punição pela perda de mandato por quebra de decoro parlamentar.

“O senador Demóstenes Torres teve um comportamento incompatível com o decoro parlamentar: recebeu vantagens indevidas e praticou irregularidades graves no desempenho do mandato”, repetiu Taques citando as palavras de Costa.

Taques destacou que o Conselho de Ética atendeu os princípios constitucionais da ampla defesa, dando oportunidade para Demóstenes falar, assim como os seus advogados, além da possibilidade de trazer testemunhas de defesa –foram chamados o contraventor Carlinhos Cachoeira e o advogado Ruy Cruvinel, mas ambos faltaram. Apenas o último encaminhou um documento ao conselho, dizendo que não iria para “preservar sua família e sua privacidade”.

Para dar suporte à sua avaliação, Taques chegou a citar duas liminares que a defesa de Demóstenes impetrou no STF (Supremo Tribunal Federal). Uma delas, indeferida pela ministra Cármen Lúcia, afirmou que o senador estaria sendo vítima de cerceamento de defesa. A outra, com decisão do ministro Dias Toffoli, favoreceu o senador ao lhe dar mais uma semana de prazo entre a apresentação e a votação do relatório de Humberto Costa no Conselho de Ética. (Com Agência Senado e Brasil)

Entenda as suspeitas envolvendo Demóstenes Torres

Política