Topo

PF conclui inquérito e identifica três tipos de boatos sobre Bolsa Família

Do UOL, em Brasília

12/07/2013 17h09Atualizada em 12/07/2013 17h18

A Polícia Federal (PF) concluiu a investigação sobre os boatos do Programa Bolsa Família, em maio, que resultaram em mais de 900 mil saques em um único fim de semana, entre 18 e 19 de maio.

O relatório aponta que três tipos de boatos surgiram de forma "espontânea", sem ação de uma pessoa ou grupo. O motivo seria a antecipação do pagamento, pela Caixa Econômica Federal (CEF), do pagamento do mês de maio.

CRONOLOGIA DA CONFUSÃO SOBRE O BOLSA FAMÍLIA

DataO que aconteceu
17 de maioSem nenhum aviso prévio, a Caixa libera o pagamento do Bolsa Família a todos os beneficiários e não de forma escalonada, como vinha sendo feito anteriormente
18 e 19 de maioAcaba por se espalhar um boato do fim do Bolsa Família. Há tumultos e correrias em agências da Caixa espalhadas por 13 Estados para receber o benefício. A Caixa diz que o calendário está mantido
19 de maioMinistério do Desenvolvimento divulga nota para aplacar os rumores do fim do Bolsa Família
20 de maioVice-presidente da Caixa diz que pagamentos foram liberados irrestritamente apenas após os tumultos. Ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) diz que rumores vieram da "central de boatos da oposição". Dilma chama boatos de "criminosos" e "desumanos"
24 de maioReportagem na Folha mostra que beneficiária teve pagamento antecipado mesmo antes dos boatos. Só então a Caixa muda versão. Surge a versão de que uma empresa de telemarketing no Rio disseminou os boatos por telefone. Polícia Federal investiga
27 de maioPresidente da Caixa, Jorge Hereda, dá entrevista coletiva para admitir equívocos do banco e pedir desculpas pela atitude anterior. Partidos de oposição entram com pedido para que Ministério Público Federal investigue o caso
28 de maioAécio Neves pede que Dilma peça desculpas públicas à população

A PF conclui que houve três tipos de boatos que circularam pelos 12 Estados onde houve corrida à CEF: a antecipação do pagamento por motivos diversos, a informação de um possível adicional em virtude do Dia das Mães e a notícia de um suposto cancelamento do programa.

Para chegar à conclusão, a PF identificou e entrevistou 180 beneficiários dos Estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio de Janeiro.

Entre os interrogados estavam os primeiros sacadores das cidades de Ipu (CE) e Cajazeiras (PB) –onde ocorreram os primeiros saques-- além de outros beneficiários que foram às agências bancárias a partir das 11h do dia 18 de maio em outras cidades.

Ao todo, 64 gerentes da Caixa Econômica Federal nas localidades onde ocorreu o maior volume de saques foram ouvidos.

A PF concluiu que aproximadamente 40% dos beneficiários retiraram o dinheiro na data correta.

Todas as linhas de investigação foram apuradas, para saber se houve articulação na divulgação do cancelamento do programa, mas não vingaram.

“Não ficou configurada a utilização de rádios comunitárias, telemarketing ou empresa contratada para a disseminação da informação de cancelamento do programa. Apenas uma beneficiária no Rio de Janeiro noticiou ter recebido telefonema a respeito, depoimento que não se repetiu em nenhuma outra oitiva”, afirmou a PF em nota oficial. 

Procurada pela reportagem do UOL, a Caixa Econômica Federal disse que não iria se pronunciar sobre a conclusão do inquérito.

Mais Política