Jucá diz que nunca agiu para paralisar Lava Jato e nega que vá sair do governo

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

  • Pedro Ladeira/Folhapress

    O ministro do Planejamento, Romero Jucá, durante entrevista à imprensa após o vazamento dos áudios

    O ministro do Planejamento, Romero Jucá, durante entrevista à imprensa após o vazamento dos áudios

Em entrevista a jornalistas nesta segunda-feira (23), o ministro do Planejamento, Romero Jucá, negou que tenha tentado interferir na condução da Operação Lava Jato e disse que não teme as investigações. "Nunca cometi e nunca cometerei nenhum tipo de ação que possa paralisar ou obstaculizar (sic) qualquer operação, seja a Operação Lava Jato ou qualquer outra", afirmou Jucá.

"Não tenho nada a temer, não devo nada a ninguém. Se eu tivesse medo, se eu tivesse telhado de vidro, não teria assumido a presidência do PMDB no momento de confronto com o PT", completou. "Não perco um minuto do meu dia de preocupação com a Operação Lava Jato."

Jucá também afirmou que não sairá do governo a não ser que o presidente interino o peça. "O cargo de ministro é uma decisão do presidente Michel
Temer. Vou exercê-lo [o cargo] na plenitude enquanto entender que tiver a confiança do presidente Michel Temer. (...) "Não nasci ministro do Planejamento e não vou morrer ministro do Planejamento. Não vejo nenhum motivo para eu pedir afastamento. Me sinto muito tranquilo e vou aguardar uma decisão do presidente Michel Temer."

O ministro afirmou que se encontrou com o presidente interino e disse que ele teria reafirmado o "apoio" do governo à Operação Lava Jato. "Hoje pela manhã, estive com Michel Temer... O presidente Michel Temer reafirmou, e eu reafirmo o nosso apoio à Operação Lava Jato, às investigações que têm que ser feitas no Brasil e a punição a quem quer que seja a quem tenha qualquer tipo de responsabilidade", disse. 

Reportagem do jornal "Folha de S.Paulo" revelou que, em conversa em março com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, Jucá sugeriu que uma "mudança" no governo federal poderia levar a um pacto para "estancar a sangria" representada pela Operação Lava Jato. 

Jucá e Machado são investigados pela Lava Jato.

Ouça trechos das conversas

  •  

Na entrevista nesta segunda, Jucá confirmou a conversa com Sérgio Machado, a quem chamou de amigo. "O ex-senador Sérgio Machado, a quem considero amigo, foi à minha casa numa manhã, na hora do café da manhã, e me procurou para conversar", afirmou.

O diálogo, aparentemente gravado sem que Jucá tivesse conhecimento, ocorreu semanas antes da votação na Câmara dos Deputados aprovou o prosseguimento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

O advogado de Jucá, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que o ministro "jamais pensaria em fazer qualquer interferência" na Lava Jato e que as conversas não revelam nenhum ato ilegal. 

No diálogo, cuja transcrição foi publicada pela "Folha", Machado diz a Jucá que novas delações na Lava Jato não deixariam "pedra sobre pedra" e que seria necessário "montar uma estrutura" para que a investigação contra ele, Machado, não fosse remetida ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela operação na primeira instância judicial, na 13ª Vara Federal de Curitiba.

Segundo Machado afirma na conversa, o envio das investigações contra ele do STF (Supremo Tribunal Federal) para Curitiba seria uma estratégia para que ele fizesse um acordo de delação premiada e incriminasse líderes do PMDB.

Jucá responde a Machado que seria necessário uma "ação política" e sugere que a mudança do governo traria um quadro favorável.

"Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria", afirma Jucá, no diálogo.

"Eu acho que a gente precisa articular uma ação política", diz o ministro em outro trecho da conversa. Em seguida, Jucá orienta Machado a se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e com o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP).

Durante a entrevista, do lado de fora do Ministério do Planejamento, um grupo de manifestantes iniciou um coro "Fora, Temer".

Investigações

Sérgio Machado presidiu a Transpetro, subsidiária da Petrobras, de 2003 a2014 e foi indicado "pelo PMDB nacional", segundo ele afirmou em depoimento à Polícia Federal. No STF, Machado é alvo de inquérito no qual também é investigado Renan Calheiros.

O ex-diretor da Petrobras e colaborador judicial na Lava Jato Paulo Roberto Costa disse que recebeu R$ 500 mil de Machado.

O ministro Romero Jucá é investigado em um inquérito no STF derivado da Lava Jato por suposto recebimento de propina. O dono da UTC, Ricardo Pessoa, afirmou em acordo de delação que o peemedebista o procurou para ajudar na campanha de seu filho, candidato a vice-governador de Roraima, e que por isso doou R$ 1,5 milhão.

Os investigadores da Lava Jato suspeitam que a doação possa ser uma contrapartida à obtenção da obra de Angra 3. Jucá afirma que os repasses foram legais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos