Vereador é detido em Curitiba acusado de agredir e assediar colega

Rafael Moro Martins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

O vereador João Galdino de Souza (PSDB), conhecido como Professor Galdino, foi detido na manhã desta quarta-feira (14) dentro da Câmara de Curitiba por guardas municipais. Ele é acusado de agredir e assediar sexualmente a vereadora Carla Pimentel (PSC) em uma sala anexa ao plenário. Outros parlamentares confirmam a agressão.

Levado numa viatura da Guarda Municipal, que cuida dos casos relacionados à Lei Maria da Penha, Galdino foi para um distrito policial. Carla, que é missionária evangélica, também seguiu para a delegacia para registrar boletim de ocorrência.

Do distrito policial, Galdino foi levado à Delegacia da Mulher, onde o caso será apurado. Em nota, a Polícia Civil informou que "o vereador envolvido em um desentendimento com uma vereadora assinou termo circunstanciado por vias de fatos e importunação ofensiva ao pudor. As pessoas envolvidas - testemunhas, vítima e suspeito - foram ouvidas e liberadas". Uma audiência está marcada para 21 de outubro, num Juizado Especial de Curitiba.
 
Carla Pimentel registrou queixas por agressão e assédio sexual contra Galdino. "Amanhã (quinta, 15) vou ao IML (Instituto Médico Legal) fazer exame de corpo de delito. Meus advogados vão avaliar [o que fazer em seguida]", disse, ao UOL, após falar com a polícia.
 
"[O que sinto de Galdino] É pior que medo, é uma sensação de pânico, de desproteção. Mas de coragem para não deixá-lo fazer isso de novo", falou. "Sem outros vereadores, eu não conseguiria me proteger dele. Poderia estar agora relatando algo muito pior."
 
"Eu estava com vereadores na sala anexa ao plenário, quando Galdino me mostrou um santinho [do irmão] dele [que é candidato a vereador], tudo num tom muito ameno. De repente, ele surta, esse louco, e avança pra cima de mim. Vereadores o tiram da sala. Ele volta, faz um monte de ameaças, escândalo", contou Carla.
 
"Disse que iria chamar a polícia pois estava sendo agredida. Aí ele diz: ninguém vai acreditar, você não tem como provar, não tem câmeras", prosseguiu.
 
A vereadora do PSC disse que a convivência com o tucano é "difícil". "Já ouvi ele dizer que toda mulher da Câmara é filha da puta, nenhuma mulher presta. Agressões de gênero, da parte dele, são muito comuns. [Depois do ocorrido,] Algumas pessoas já vieram falar comigo que foram vítimas dele, inclusive funcionárias e uma vereadora, que disse ter sido agredida sem testemunhas. Ele parece se sentir blindado, como se não estivesse sob a lei."

Vereadores confirmam agressão

"Estávamos [numa sala anexo ao plenário, conhecida como sala do cafezinho] conversando. Galdino puxou um santinho [do irmão, que é candidato a vereador] para mostrar, e ofereceu para Carla. Ela guardou-o; ele pediu de volta. Como ela se negou, ele saltou sobre a mesa a que estava sentado e apoiou as mãos sobre o corpo dela", contou o vereador Bruno Pessuti (PSD).

Câmara Municipal de Curitiba/Divulgação
Galdino é conhecido por usar jaleco branco de professor e óculos escuros

"Ele a assediou, passou a mão nela. Quis agredi-la, mas se aproveitou da situação. Depois, disse que ela não era mulher de Deus, que não era pessoa certa. Irei à delegacia prestar depoimento", afirmou o vereador.

"Ele [Galdino] se jogou em cima da mesa em direção ao peito dela. Deu a sensação de estava se aproveitando do momento para ter contato físico com a vereadora", disse o vereador Jonny Stica (PDT).

"Galdino voltou para a sala e começou a nos agredir verbalmente, nos chamando de mentirosos."

Em vídeo publicado em seu perfil em rede social, gravado a caminho da delegacia, Carla Pimentel diz que "a gente não pode aceitar as mulheres apanhando" 

Outros vereadores que presenciaram a ocorrência --Beto Moraes (PSDB), Rogerio Campos (PSC) e Helio Wirbiski (PPS)-- foram à delegacia prestar depoimento.

A vereadora Noemia Rocha (PMDB), corregedora da Câmara, já anunciou que abrirá processo contra o tucano. "Vou ouvir os dois vereadores e encaminhar ao Conselho de Ética. A vereadora relatou assédio sexual. Pela gravidade do assunto, cabe cassação de mandato."

Galdino já é alvo de uma representação no Conselho de Ética por ofensa e assédio moral a servidores da Comunicação da casa. Ele usou, em plenário, o termo "cabaço" para se referir a uma funcionária.

A assessoria de imprensa de Galdino diz que não houve agressão, e que se trata de "armação política". O UOL já solicitou uma entrevista com o parlamentar.

Quem é Galdino

Vereador em segundo mandato, Galdino é conhecido por usar um jaleco branco de professor, ultimamente acompanhado, inclusive em ambientes fechados, por um par de óculos escuros --ele diz sofrer de fotofobia.

Em seu perfil no site da Câmara, diz ter lecionado história, inglês, francês e alemão, além de ter vivido na Europa e no Japão.

Galdino já é alvo de uma representação no Conselho de Ética por ofensa e assédio moral a servidores da Comunicação da casa. Ele usou, em plenário, o termo chulo para se referir a uma funcionária.

A suspeita de agressão sexual a Carla Pimentel não é a primeira na carreira do tucano. Em 2009, ele foi expulso do PV pela mesma acusação, segundo informou à época o jornal "Gazeta do Povo".

O tucano não é candidato à reeleição. Seu irmão, Edu Galdino, que se apresenta com os mesmos jaleco branco e óculos escuros do atual vereador, , disputa mandato na Câmara. Edu usa, inclusive, o mesmo nome de urna e jingle de campanha do irmão.

Outro lado

Ao UOL, no final do dia, Galdino disse que a agressão "não existiu". "É tudo mentira. Eles armaram um teatro, um conluio. É porque faço muitas denúncias [à prefeitura de Curitiba]", argumentou, com fala ofegante e voz rouca.
 
"Tudo isso aí é armação", repetiu, mesmo confrontado com os depoimentos de testemunhas e críticas de seu partido. "O presidente do meu partido nem sabia o que aconteceu. Inventaram algo para ele."
 
O tucano disse, ainda, não temer a cassação. "Cassado por que? Não fiz nada. São todos [os acusadores] ligados ao (prefeito de Curitiba e candidato a reeleição Gustavo) Fruet."
 
O UOL procurou a assessoria do prefeito, que disse que não irá comentar o caso. Em redes sociais, o prefeito manifestou solidariedade a Carla Pimentel, dizendo que ela "reagiu com coragem, afirmando e buscando seus direitos". O PSC, partido dela, não apóia a reeleição de Fruet.
 

PSDB fala em expulsão

 
Em nota, o presidente do PSDB em Curitiba, Juraci Barbosa Sobrinho, afirma que "repudia não só a falta de decoro, mas principalmente as agressões físicas, especialmente contra mulheres, motivo pelo qual já determinei ao Conselho de Ética do Diretório Municipal a abertura de processo disciplinar para apurar os fatos, que, se confirmados, resultarão na expulsão do filiado infrator".
 
Prossegue o texto: "o PSDB Mulher já encaminhou à Presidência da Comissão Executiva  requerimento de apuração dos fatos e aplicação de sanções disciplinares ao Vereador. Por fim, esclareço que o vereador Professor Galdino não é candidato ao pleito de 2016, uma vez que não obteve legenda na convenção municipal, e não pode ser confundido com o [irmão dele e] candidato Edu Galdino".
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos