Eleições acabaram com tese do golpe, diz Temer

Do UOL, em São Paulo

O presidente Michel Temer (PMDB) avaliou que os resultados do primeiro turno das eleições municipais mostraram uma vitória dos partidos da base aliada do governo. "[Eles] tiveram sucesso extraordinário. A revelar, portanto, que não houve acolhimento a certas teses que se deram no passado", disse Temer em entrevista ao "Jornal da Noite", da TV Bandeirantes, exibida na madrugada desta quinta-feira (6).

Referindo-se à tese de golpe no processo de impeachment, sustentada por apoiadores de sua antecessora, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Temer apontou que o argumento foi rejeitado pelos brasileiros. "Se aquilo [tese do golpe] fosse verdadeiro, o eleitorado ia lá e prestigiaria quem pregou a ideia do golpe, que, evidentemente, jamais existiu".

A apuração de domingo mostrou que o PMDB de Temer foi o partido que mais conquistou prefeituras no país: 1.028 no total. Na sequência, aparecem PSDB (793), PSD (539), PP (493) e PSB (414), todos da base do atual presidente.

Já o PT foi o grande derrotado nos pleitos municipais. De 630 prefeituras em 2012, caiu para 256 neste ano.

A partir dos resultados das eleições, Temer disse que não vê necessidade de fazer uma reforma ministerial para atender os partidos que mostraram força nas urnas. "Até porque os partidos estão representados no governo", disse o presidente.

Temer, contudo, não descartou mudanças no futuro. "Se você me perguntar 'daqui a seis meses, sete meses, oito meses', vai depender das circunstâncias do futuro. Hoje, não há nenhuma perspectiva de reforma ministerial".

Quem avança ou recua no jogo político pós-eleições

Não levo pesquisa em conta, diz Temer

Mais tarde, em entrevista à rádio Jovem Pan, Temer minimizou o resultado da pesquisa Ibope divulgado na terça-feira (4) que apontou que 39% dos brasileiros reprovam sua gestão.

"Respeito a pesquisa, mas não levo em conta. Se tiver 5% de avaliação positiva e 12 milhões de desempregados empregados, me dou por satisfeito", declarou. "Não estamos em período eleitoral nem estou preocupado com eleições", disse.

O presidente também negou pensar em reeleição em 2018. "Governar o Brasil é algo extremamente honroso. Tendo chegado à Presidência, não vejo razão para pensar em reeleição."

"Prioridade do governo é gerar empregos"

Na entrevista à Band, Temer também reafirmou que seu governo tem como prioridade a retomada do mercado de trabalho. "Tudo o que fazemos é com vistas a recuperar o emprego no país."

Como forma de contribuir para a retomada do emprego, Temer disse que vai ordenar a retomada de 1.219 pequenas obras paradas no país, além de grandes projetos como a transposição do Rio São Francisco e intervenções "de grande porte" no Rio Guaíba, em Porto Alegre.

"Estamos dimensionando essas obras. Quando o poder público leva obras adiante, cria empregos", disse o presidente.

Sobre a transposição do São Francisco, Temer afirmou que o repasse de R$ 10 milhões por mês para as obras foi aumentado para R$ 30 milhões. Além disso, o governo federal agora busca revitalizar o Rio, segundo o presidente.

A retomada do programa habitacional Minha Casa Minha Vida e a ampliação dos limites de empréstimo para a aquisição de imóveis também foram citados como exemplos de investimentos para a retomada do emprego no país. (Com Estadão Conteúdo)

Como fica o PT após as eleições municipais de 2016

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos