Operação Lava Jato

Subsecretário e diretor da Riotrilhos são presos em operação ligada à Lava Jato

Gustavo Maia e Nathan Lopes

Do UOL, no Rio e em São Paulo

  • Gabriel de Paiva/Agência O Globo

    Atual subsecretário de Turismo do Governo do Estado, Luiz Carlos Velloso foi preso em casa, em Copacabana, na zona sul do Rio

    Atual subsecretário de Turismo do Governo do Estado, Luiz Carlos Velloso foi preso em casa, em Copacabana, na zona sul do Rio

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (14) mais uma operação derivada da Lava Jato no Rio de Janeiro. Foram cumpridos mandados de prisão, de condução coercitiva e de busca e apreensão na ação que mira pagamentos de propinas e lavagem de dinheiro em contratos da linha 4 do metrô. A obra custou R$ 9,7 bilhões, segundo o Governo do Rio.

A PF prendeu Heitor Lopes de Sousa Junior, diretor de Engenharia da Riotrilhos (Companhia de Transportes sobre Trilhos do Estado do Rio), e Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de Transportes do Estado do governo Sérgio Cabral (PMDB) e atual subsecretário de Turismo.

Segundo a Polícia Federal, as investigações, iniciadas há 4 meses, em conjunto com o MPF (Ministério Público Federal) e a Receita Federal, apontaram que os dois procuravam as empreiteiras interessadas em assumir obras de infraestrutura no Estado, "cobrando vantagens indevidas com o objetivo de garantir a contratação para os serviços".

Em nota, a PF informou ainda que a propina era paga, "principalmente, de forma dissimulada a partir de aditivos que aumentavam os valores devidos, bem como alteravam o escopo técnico das obras". 

A operação foi batizada de Tolypeutes, gênero do animal conhecido como tatu-bola. Trata-se de uma referência ao "Tatuzão", equipamento utilizado nas escavações das obras do metrô.

A ação da PF foi aberta por ordem do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, com base no acordo de leniência da Carioca Engenharia. A investigação apura R$ 5,4 milhões em propinas e 31 transferências para empresas de Heitor Lopes.

Quarenta policiais federais foram destacados para cumprir os dois mandados de prisão preventiva, 13 de busca e apreensão e três de condução coercitiva na capital fluminense e no município de Sapucaia (RJ).

Segundo a polícia, os presos serão indiciados por corrupção e lavagem de dinheiro e, em seguida, encaminhados ao sistema prisional do Estado.

Procurada pela reportagem do UOL, a Secretaria de Turismo declarou que Luiz Velloso exerce as funções de subsecretário executivo na pasta desde janeiro de 2015, "com lealdade e competência". A Riotrilhos, por sua vez, informou que "desconhece o teor das acusações e se coloca à disposição para eventuais esclarecimentos".

Pablo Jacob/Agência O Globo - 23.dez2013
Operário observa o "Tatuzão", equipamento usado nas obras da Linha 4 do metrô do Rio

A Lava Jato no Rio foi a responsável pela prisão de Cabral, de sua mulher, Adriana Ancelmo, e do empresário Eike Batista.

A força-tarefa investiga corrupção na contratação de diversas obras conduzidas no governo do peemedebista, entre elas, a reforma do Maracanã para receber a Copa do Mundo de 2014, o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Favelas e o Arco Metropolitano, financiadas ou custeadas com recursos federais.

Já investigação da força-tarefa do MPF (Ministério Público Federal) no Paraná apurou pagamento de vantagens indevidas a Cabral em decorrência do contrato celebrado entre a Andrade Gutierrez e a Petrobras, sobre as obras de terraplenagem no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

Deste novembro do ano passado, Cabral foi alvo de seis denúncias: cinco do Ministério Público do Rio e uma da Procuradoria da República, no Paraná.

Linha 4

Orçada em R$ 9,7 bilhões, a construção da nova linha do metrô do Rio sofreu atrasos e quase foi paralisada por falta de recursos. A inauguração aconteceu no dia 30 de julho, uma semana antes da abertura dos Jogos Olímpicos.

A Linha 4 tem 16 km quilômetros de extensão e liga os bairros de Ipanema, na zona sul, e Barra da Tijuca, na zona oeste da capital fluminense. (Com Estadão Conteúdo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos