Jurista convoca "próprio time" e pede "fora, Temer" na Paulista

Nivaldo Souza

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Nivaldo Souza/UOL

    O advogado Luiz Flávio Gomes, 59, que criou seu grupo para protestar

    O advogado Luiz Flávio Gomes, 59, que criou seu grupo para protestar

O jurista Luiz Flávio Gomes, 59, convocou seu "próprio time" para protestar contra a corrupção na tarde deste domingo (26), na avenida Paulista. Ele pegou carona na manifestação programada por movimentos como o Vem Pra Rua e o MBL (Movimento Brasil Livre), mas disse não concordar com a pauta apresentada por eles.

"Eu sou 'Fora, Temer', eles não", afirma. "Nosso movimento é também 'Fora, Lula, fora, Aécio, fora, todos os corruptos", disse Gomes.

O alvo das manifestações desse domingo é o Congresso Nacional. O  MBL e o Vem Pra Rua saíram às ruas pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Neste domingo, eles protestam contra a anistia ao caixa dois, o foro privilegiado e o voto em lista fechada (quando o eleitor vota em uma lista de candidatos escolhidos pelo partido) e a favor da Lava Jato.

Gomes, que nas redes sociais publica vídeos com críticas aos políticos, afirma que preferiu criar o seu próprio grupo, o "Movimento Quero Um Brasil Ético".

Gomes contratou um carro de som próprio para se posicionar na esquina com rua Augusta, longe do veículo do Vem Pra Rua e do MBL, que ficam estacionados próximo ao Masp. Ele não diz quanto gastou, mas afirma que pagou com dinheiro do "próprio bolso". Cerca de 30 pessoas protestavam com o advogado na Paulista.

O "Quero Um Brasil Ético" também defende o fim do foro privilegiado e o fim do caixa 2.

Ao ser questionado se o movimento é um ensaio para entrar na política, como ocorreu com lideranças dos grupos criticados por ele, Gomes desconversou: "2017 é um ano de luta para não deixar os corruptos se perpetuarem na política. É 2018, é outra história", diz.

Nivaldo Souza/UOL
Manifestantes protestam em São Paulo na tarde deste domingo

Atos esvaziados

Diferentemente de atos convocados em anos anteriores, as manifestações desse domingo não levaram muitas pessoas para as ruas. Em Brasília, segundo a PM, cerca de 600 pessoas protestaram diante do Congresso. No Rio de Janeiro, a PM não fez um balanço. Os organizadores falaram em 2.000 pessoas.

"O brasileiro está em processo de cidadania, processo para aprender a abdicar do conforto de casa, de ir para rua manifestar. O processo é de altos e baixos. É assim mesmo", afirmou Adriana Balthazar, uma das líderes do movimento no Rio de Janeiro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos