Operação Lava Jato

Defesa de Lula apresenta recibos do apartamento de São Bernardo e diz serem originais

Vinícius Boreki e Bernardo Barbosa

Colaboração para o UOL, em Curitiba e do UOL, em São Paulo

  • Paulo Whitaker - 30.out.2011/Reuters

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece na sacada de seu apartamento em São Bernardo do Campo

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece na sacada de seu apartamento em São Bernardo do Campo

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou, na tarde desta terça-feira (24), 31 recibos que diz serem originais, o contrato de locação do apartamento de São Bernardo do Campo (Grande São Paulo) e uma carta destinada à ex-primeira-dama, datada de 3 de janeiro de 2017 – um mês antes de sua morte –, para comprovar a quitação do aluguel do apartamento, que é investigado em ação penal.

Os documentos foram apresentados em uma coletiva de imprensa realizada em um escritório de advocacia de Curitiba e, na sequência, os advogados do ex-presidente Lula seguiram para a Justiça Federal para apresentar os comprovantes em juízo. A entrega foi realizada com a presença de um notário para que, segundo o advogado Cristiano Zanin Martins, dê "fé pública de que os documentos estão sendo apresentados, da forma como estão sendo apresentados", afirmou.

No dia 25 de setembro, a defesa entregou à Justiça cópias de 26 recibos, cujas datas se estendem de agosto de 2011 a dezembro de 2015. Os documentos entregues agora incluem este período mais o intervalo que vai de março a julho de 2011.

Reprodução
Defesa de Lula entrega carta, que diz ser original, de Glaucos da Costamarques a Marisa Letícia pedindo mudança na conta do depósito de aluguel de apartamento em S. Bernardo

 

Reprodução
Outro trecho de contrato de aluguel que defesa de Lula diz ser original

Reprodução
Mais um dos documentos entregue nesta terça-feira

Na avaliação de Martins, já há comprovação suficiente de que o ex-presidente não é proprietário do apartamento, localizado no mesmo edifício em que o ex-presidente vive, e que existe um contrato de locação firmado entre as partes.

"O proprietário do imóvel (Glaucos da Costamarques) reconhece que comprou o imóvel com recursos próprios e que teria assinado uma parte dos recibos em 2015", afirmou Martins. De acordo com ele, a relação de locação está comprovada e não existe a necessidade de apresentar comprovações bancárias das transferências. "Você pode realizar pagamentos de diversas formas, não apenas via transação bancária", disse.

A Justiça Federal confirmou o recebimento. "Certifico que recebi na data de hoje, nesta Secretaria da 13.ª Vara Federal de Curitiba:

a) 7 (sete) folhas referentes a um instrumento particular de contrato de locação para fins residenciais;

b) 31 (trinta e uma) folhas referentes a recibos de aluguel;

c) 1 (uma) folha referente a uma carta, datada de 03/01/2017.

Todas as folhas contém inscrições somente no anverso da folha", diz o despacho da JF.

Reprodução
Defesa entregou à Justiça recibo, que diz ser original, de pagamento de aluguel por Marisa Letícia a Glaucos da Costamarques

Reconhecimento

Na versão da defesa do ex-presidente, há uma série de fatores que comprovam a locação do imóvel. Em um primeiro momento, em depoimentos, o engenheiro não teria negado ser proprietário do imóvel, além de ter o adquirido com recursos próprios. A quebra do sigilo bancário do engenheiro teria apontado que houve saída de recursos e depósitos em dinheiro para a compra do imóvel.

Outro ponto mencionado pela defesa é o pagamento do Imposto de Renda, tanto por parte de Costamarques quanto pela ex-primeira-dama Marisa Letícia. "Nas declarações dadas às autoridades, ele reconhece o recebimento dos aluguéis", afirmou Martins. Além disso, conforme a defesa, o empresário pagava o carnê-leão (uma confirmação de pagamento de impostos referentes à locação de imóveis).

Além disso, os 31 recibos, conforme a defesa, declaram que houve "plena, clara e irrevogável quitação dos débitos". "A parte econômica e contábil mostra e reforça a existência dos processos. A partir de agora, a defesa não precisa fazer mais nada, por acreditar que a lei brasileira será seguida. Já fizemos o nosso papel e fomos além daquilo que seria o necessário", criticou Martins.

Foco do processo

Em meio à coletiva, o advogado Cristiano Zanin Martins criticou o fato de uma mudança no teor do processo, que surgiu em uma investigação de oito contratos da Petrobras com empreiteiras, entre elas a Odebrecht. "Essa questão da locação foi inserida no processo na audiência do último dia 13 de setembro através de perguntas feitas pelo Juiz Sergio Moro e MPF (Ministério Público Federal). Nenhuma pergunta sobre a Petrobras, que deveria ser o foco por se tratar da base da acusação", diz o advogado.

A partir da audiência e de um pedido explícito do Juiz Sergio Moro para que os recibos fossem apresentados, a defesa buscou os documentos originais. "Como houve o questionamento e, mais do que isso, a recomendação, fomos localizar os recibos originais. A partir disso, foi feita uma reconstrução histórica que me permite constatar que os aluguéis eram pagos e os recibos emitidos contemporaneamente ao pagamento dos aluguéis", afirmou.

A defesa também criticou a atuação do Moro em razão de sua insistência em relação ao tema, alegando que "extrapolou o papel de magistrado e agiu como acusador". 

As polêmicas

De acordo com a denúncia do MPF, datada de dezembro de 2016, os desvios de R$ 75,4 milhões em oito contratos entre a Odebrecht e a Petrobras. O ex-presidente teria sido beneficiado com um terreno em São Paulo e um apartamento vizinho em que o petista vive, acusado de cometer os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

As acusações alegam que Glaucos da Costamarques teria agido como laranja ao adquirir o imóvel com dinheiro da Odebrecht, com o propósito de entregar o apartamento ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para abrigar os seguranças responsáveis por fazer a escolta pessoal. Costamarques é parente do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo pessoal do ex-presidente e alvo de investigações pela Operação Lava Jato.

Os questionamentos de Moro se motivaram em função do depoimento de Costamarques. Ele havia informado à justiça que só recebeu os valores referentes ao aluguel a partir de 2015. Contudo, declarou à Receita Federal que a família de Lula tinha quitado todos os valores desde 2011.

Apresentados no final de setembro, os recibos causaram polêmica pelo fato de terem datas inexistentes – 31 de junho de 2014 e 31 de novembro de 2015 –, a grafia errada de cidade e a mesma data de vencimento. A partir das suspeitas da falsidade dos documentos, o juiz Sergio Moro solicitou, no início de outubro, que a defesa apresente os documentos originais.

À época, o advogado Cristiano Zanin Martins, que representa o Lula, afirmou, por meio de nota, que os erros em dois dos 26 recibos não têm relevância para o valor probatório dos documentos. De acordo com ele, a apresentação dos recibos comprova o pagamento do aluguel.

Posteriormente, a defesa do petista alegou que a quitação dos débitos – que somam R$ 189 mil – foram realizadas em dinheiro vivo. No entanto, a defesa não soube explicar os termos de locação, já que o contrato foi firmado com a ex-primeira-dama Marisa Letícia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos