PUBLICIDADE
Topo

Política

Em 2017, delatores da Lava Jato falaram sobre corrupção "com honestidade"

Do UOL, em São Paulo

26/12/2017 04h00Atualizada em 26/12/2017 11h15

Cenas de sinceridade marcaram presença em parte das declarações dadas por envolvidos na Operação Lava Jato neste ano. Além de detalhes sobre as operações que movimentaram milhões de reais em corrupção, delatores como Renato Duque, Ricardo Saud, Hilberto Mascarenhas, entre outros envolvidos na investigação, aproveitaram o depoimento à Justiça para revelar o que pensam sobre as ações nas quais estavam envolvidos.

Ao longo do ano, foram dezenas de horas de delações premiadas e depoimentos divulgados pela Justiça. Ex-diretor de Serviços da Petrobras, Duque, por exemplo, contou que recebia os valores de propina em contas no exterior - e que o dinheiro era tanto que ultrapassou o que imaginava gastar em vida. "Quando atingiu US$ 10 milhões, isso era muito mais do que eu preciso para viver e a minha terceira geração", diz o delator em seu depoimento para a Lava Jato.

Outros depoentes, como Hilberto Mascarenhas, apontado como o ex-organizador do setor de propinas da Odebrecht, compartilharam com a Justiça até os planos que tinham para o futuro, se não tivessem sido presos. "Eu quero curtir a minha vida quando vocês tirarem esse negócio do meu pé e eu poder viajar, curtir o que dez anos eu trabalhei", disse Mascarenhas.

As delações tiveram até espaço para arrependimento. "Se eu fosse honesto, não precisava estar aqui. Eu estou pagando pelo meu erro e espero que todos paguem", disse Ricardo Saud, ex-diretor da JBS. Assista no vídeo acima os principais momentos das delações e depoimentos da Lava Jato.

Já o ex-secretário do Governo do Rio Wilson Carlos, braço direito do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), parece não ter convencido o juiz federal Sérgio Moro ao afirmar que preferia fazer pagamentos de R$ 10 mil em espécie.

“O senhor tinha alguma coisa contra bancos?”, perguntou Moro.

“Eu preferia por uma questão pessoal manter recursos comigo do que deixar em banco”, respondeu  Carlos.

Política