Em mensagem de Ano-Novo, Marina exalta ministro do TSE que votou contra Temer e Judith Butler

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

Em sua mensagem de Ano-Novo, a ex-ministra Marina Silva (Rede-AC), pré-candidata à Presidência da República nas eleições do ano que vem, exaltou neste domingo (31) a atuação do ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Herman Benjamin como relator da ação contra a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.

"Vimos crescer a árvore da justiça nas palavras do Ministro Herman Benjamin, recusando-se a carregar o caixão da democracia no processo de cassação da chapa que se beneficiou da fraude eleitoral de 2014", disse no texto publicado em suas redes sociais.

Benjamin votou em maio deste ano pedindo a cassação da chapa e consequentemente do mandato do presidente Michel Temer. Na ocasião, ele afirmou que "como juiz, recuso o papel de coveiro de prova viva. Posso até participar do velório, mas não carrego o caixão."

Marina citou ainda o movimento de defesa da liberdade de expressão motivado pelos ataques sofridos pela filósofa norte-americana Judith Butler, referência mundial no estudo da teoria de gênero, após o anúncio da participação dela em um evento em São Paulo, em novembro.

Para ela, terceira colocada na última pesquisa do Datafolha na corrida pelo Planalto, esses episódios podem ser considerados "porções de vida", verdadeiros "oásis", no "calor e na secura de 2017".

Sobre Butler, Marina diz ter visto "brotar o apelo em favor da liberdade de expressão", afirmando que "a preleção corajosa do pastor Ed René Kivitz" evocou a máxima da democracia: "não concordo com tudo o que dizes, mas defendo teu direito de dizer".

Butler participou da abertura do colóquio "Os Fins da Democracia", no Sesc Pompeia, organizado pela USP (Universidade de São Paulo), em conjunto com a Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, onde a filósofa leciona. Grupos contra e a favor da filósofa chegaram a protestar em frente ao Sesc

Evangélica, Marina cita ainda como um desses "oásis" de 2017 o trabalho do cantor e compositor Caetano Veloso, junto a seus filhos. "Vimos o cantor Caetano Veloso, que se confessa sem fé, homenagear seus filhos crentes ofertando-lhes as sementes da fé católica de sua amada mãe, dona Canô", diz no texto. A Justiça chegou a impedir a participação do cantor na ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo do Campo (SP) em outubro deste ano

A ex-ministra diz ainda que 2017 não foi um ano fácil, que mostrou "a estupidez e o ridículo de uma política degradada, que perdeu o respeito por si mesma".

Na sua retrospectiva, ela afirma que houve a consolidação das "fake news", da violência doméstica transformada em comportamento público. "Bem compatível com a degradação da ética e a polarização política, levada às últimas consequências, por aqueles que deveriam servir de exemplo", avaliou.

Por último, Marina Silva deseja que esses "momentos de alívio feitos de honra, respeito, tolerância, esperança, humildade, amor e fé" se multipliquem em 2018. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos