PUBLICIDADE
Topo

Política

Doria diz que Kassab ser réu por suposto caixa 2 "não gera problemas"

05.nov.2018 - O governador eleito de São Paulo, João Doria, anuncia o ministro Gilberto Kassab como secretário - Janaina Garcia/UOL
05.nov.2018 - O governador eleito de São Paulo, João Doria, anuncia o ministro Gilberto Kassab como secretário Imagem: Janaina Garcia/UOL

Janaina Garcia

do UOL, em São Paulo

05/11/2018 14h11

O governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (5) que o processo de caixa dois em que é réu o ministro Gilberto Kassab (PSD) não deve "gerar problemas" a sua futura equipe de trabalho. Kassab foi anunciado hoje pelo tucano como futuro secretário da Casa Civil, responsável pela articulação institucional e política do próximo governo.

Em setembro, Kassab virou réu pela Justiça ante a denúncia, apresentada em 2017 pelo Ministério Público estadual, de que teria recebido R$ 21 milhões da Odebrecht, via caixa dois, para a campanha eleitoral de 2008 à Prefeitura de São Paulo. Na decisão em que a denúncia do MP foi aceita, a Justiça também determinou o bloqueio de bens do atual ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Questionado se o processo judicial não traz dificuldades ou constrangimentos ao futuro governo, Doria fez questão de elogiar o escolhido para compor seu secretariado a partir de 2019. "A nós, obviamente, isso não gera nenhum tipo de problema, ao contrário: ele demonstrou ao longo de sua trajetória como homem público, como presidente do PSD e apoiador de primeira hora da nossa candidatura, [como] um competente ministro de Ciência, Tecnologia e Comunicação, toda a sua capacidade", definiu Doria.

Na avaliação do tucano, "não há um juízo final" sobre a questão judicial envolvendo Kassab. Ele ainda classificou o aliado como "um dos melhores articuladores políticos do país, senão o melhor".

Atual ministro do governo de Michel Temer (MDB) e ex-ministro das Cidades de Dilma Rousseff (PT), o futuro secretário estadual também minimizou o fato de ser réu e de ter bens bloqueados pela Justiça em suposto esquema de caixa dois.

"Confio muito na justiça brasileira, no Ministério Público, na imprensa e sempre estou à disposição", afirmou. "Podem ter certeza absoluta de que todas as minhas ações na vida pública foram pautadas em critérios de moralidade — estou muito tranquilo em relação ao resultado final da justiça", completou Kassab.

Vice comandará cortes de secretarias

À imprensa, Doria também confirmou seu vice, o deputado federal Rodrigo Garcia (DEM), como responsável pela articulação administrativa da gestão. A função hoje é executada pela Secretaria de Governo comandada pelo tucano Saulo de Castro, que teve o pedido de expulsão da sigla solicitado pelo diretório municipal, mas negado pela Executiva nacional. Na época, Doria chegou a chamar os tucanos que tiveram a expulsão solicitada de "traidores".

A previsão é que a Secretaria de Governo, como outras pastas, seja extinta, reduzida ou aglutinada. Mas uma definição deve ser tomada pela equipe de transição até o final de novembro, segundo informação de Garcia. De acordo com o parlamentar, também a extinção de cargos comissionados e a definição de estatais e autarquias que devem ser extintas entram no conjunto de medidas apresentadas pela equipe de transição.

"Até o final de novembro, definiremos os cortes entre as mais de 25 secretarias, autarquias e empresas públicas, desde que isso não afete funções essenciais - a ideia é gastar menos [com funções administrativas] e mais com serviços públicos. O ideal é que isso não comprometa a prestação de serviços", definiu Garcia.

Segundo o vice, o "novo desenho" administrativo, ainda sob análise jurídica, é que determinará quantas e quais pastas, bem como quantos comissionados, serão atingidos. "A ideia é reduzir a estrutura máquina de maneira responsável para não haver descontinuidade", ressalvou Doria.

O governador eleito afirmou que anuncia nesta terça-feira (6) outros nomes do secretariado, mas não antecipou de que pastas.

Reunião com ministro da Fazenda em SP

Nesta manhã de segunda, Garcia disse que telefonou ao governador Márcio França (PSB), derrotado por Doria no segundo turno da eleição estadual, no último dia 28. Segundo ele, foi "uma boa conversa" que antecedeu a primeira reunião da transição entre os dois governos. O vice-governador estimou que a primeira reunião deve ocorrer "entre hoje e amanhã", mas não definiu local.

Ao mesmo tempo, Doria se reuniu em São Paulo com o ministro da Fazenda de Michel Temer (MDB), Eduardo Guardia, mas negou especulações de que o teria convidado para a Fazenda estadual.

"O ministro é meu amigo e tem um olhar privilegiado de consultor que gosta de São Paulo. Mas tratamos de assuntos institucionais na área de economia", desconversou Doria. "Foi uma reunião pública; capacidade [de ser secretário estadual) ele tem, mas não discutimos isso", concluiu.

Apoiador do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já desde o domingo em que foi realizado o primeiro turno, Doria disse nesta segunda que conversa por telefone "dia sim, dia não" com o futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes sobre "uma visão de pacto federativo" que contemple uma "economia liberal" com ações descentralizadas e com captação de recursos internacionais. Segundo o tucano, Guedes deve anunciar em breve detalhes desse pacto. Durante a campanha, Doria dissera que seu planejamento econômico seguiria a linha prometida por Guedes.

Além de Garcia e Kassab, a equipe de transição do governo eleito terá também Milton Melo, ex-chefe de gabinete de Doria na prefeitura, o advogado Wilson Pedroso e o líder do PSDB na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), Marco Vinholi, que não foi reeleito.

Política