PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro fará cirurgia em 28/1 para ir a Davos, diz cirurgião

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deixa o Hospital Israelita Albert Einstein, na zona sul de São Paulo, após consulta médica nesta quinta (13) - Felipe Rau/Estadão Conteúdo
O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deixa o Hospital Israelita Albert Einstein, na zona sul de São Paulo, após consulta médica nesta quinta (13) Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Gustavo Maia

Do UOL,em Brasília

13/12/2018 15h29

A equipe médica do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, marcou para 28 de janeiro a cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). A data foi remarcada para que ele participe do Fórum Econômico Mundial, que acontece de 22 a 25 de janeiro em Davos, na Suíça.

As informações foram confirmadas à reportagem do UOL na tarde desta quinta-feira (13) pelo cirurgião Antônio Luiz de Vasconcellos Macedo, que o acompanha desde a facada ocorrida no último dia 6 de setembro.

No período da viagem, assim como durante a recuperação da cirurgia, estimada em até 10 dias, o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão (PRTB), assumirá interinamente o Palácio do Planalto.

A data foi agendada após nova consulta do presidente eleito no hospital, realizada na manhã de hoje. Depois de deixar Brasília, hoje cedo, ele chegou ao Albert Einstein, na zona sul de São Paulo, às 10h27 e saiu por volta das 11h35, escoltado por cinco carros, sem falar com a imprensa.

A assessoria do presidente eleito foi procurada pela reportagem, mas orientou que o hospital fosse procurado para confirmar a informação. O centro médico, no entanto, não divulgou nenhum boletim, diferentemente do que ocorreu nas outras passagens de Bolsonaro pelo local.

Durante o procedimento cirúrgico, o abdome de Bolsonaro será aberto novamente para que as alças do intestino grosso sejam unidas e, com isso, o trânsito intestinal volte ao normal. Assim, ele deixará de usar a bolsa coletora de fezes.

Com a remarcação, o presidente eleito poderá participar do próximo encontro do Fórum Econômico Mundial. Ele já está confirmado na lista de participantes. Segundo o cirurgião, a remarcação ocorreu justamente para permitir a ida do presidente eleito com sua comitiva para o evento, que reúne líderes mundiais, banqueiros e personalidades.

Adiamentos

Inicialmente, a cirurgia estava prevista para ocorrer a partir dessa quarta (12), exatos três meses após a segunda intervenção a que ele foi submetido, de emergência, para desobstruir o intestino.

Após consulta no dia 23 do mês passado, boletim médico do hospital apontou que Bolsonaro ainda sofria com uma inflamação do peritônio e processo de aderência entre as alças intestinais, e adiou a cirurgia para depois da posse do dia 1º de janeiro.

No dia seguinte, ele afirmou que a cirurgia deveria ocorrer no dia 20 do primeiro mês do ano.

Política