PUBLICIDADE
Topo

Política

Vereador diz ter sofrido ataque após votação sobre previdência em SP

26.dez.2018 - Janela do 5º andar da Câmara Municipal de São Paulo com perfuração; suspeita é de tiro - Guilherme Mazieiro/UOL
26.dez.2018 - Janela do 5º andar da Câmara Municipal de São Paulo com perfuração; suspeita é de tiro Imagem: Guilherme Mazieiro/UOL

Bernardo Barbosa e Guilherme Mazieiro

Do UOL, em São Paulo

26/12/2018 16h29Atualizada em 26/12/2018 18h10

O vereador Fernando Holiday (DEM) diz ter sido atacado nesta quarta-feira (26), após a votação na Câmara Municipal de São Paulo, que aprovou a reforma da previdência da cidade. Segundo o MBL (Movimento Brasil Livre), do qual Holiday faz parte, o parlamentar foi alvo de uma "tentativa de assassinato".

Segundo relato publicado no Twitter, Holiday disse que estava na janela do andar de seu gabinete, no quinto piso do prédio da Câmara Municipal, quando ouviu "um barulho alto de vidro estilhaçando". O vereador contou ter chamado a segurança da Câmara, e disse que a polícia fará uma perícia no local.

Ao UOL, Holiday disse que voltava da votação e que alguns servidores que protestavam contra o projeto na rua o reconheceram. O vereador foi o relator da comissão que analisou a reforma. 

"Eu dei alguns acenos, fiz um coração com a mão [para os manifestantes]. Quando eu ia saindo da janela, ouvi barulhos de estilhaços no vidro, mas não sei ao certo o que atingiu. Só sei que foi um barulho e todo mundo que estava perto saiu dali", contou ele, que afirmou que vai registrar um B.O do ocorrido. 

O MBL, via Twitter, afirmou que Holiday sofreu "uma tentativa de assassinato", e que um tiro acertou a janela em que o vereador estava.

A assessoria da Polícia Militar na Câmara informou ao UOL que a perícia técnica foi acionada para analisar a perfuração e dizer se foi um tiro ou não. 

O chefe de gabinete de Holiday, Rubens Nunes, contou que estava junto do vereador no momento em que a vidraça se rompeu. 

"Estávamos próximos à vidraça e ouvimos dois estouros. Não deu para saber o que era, na hora eu vi o buraco e falei para o vereador: vamos correr daqui porque é tiro", contou ao UOL
 
Além deles, havia mais uma estagiária do parlamentar na janela. 

A Guarda Municipal e a Polícia Militar, a princípio, não conseguiram identificar se há outra perfuração na estrutura.

Votação teve confusão

A votação foi marcada pelo confronto, do lado de fora da Câmara, entre guardas civis metropolitanos e manifestantes contrários à proposta de reforma da previdência municipal.

Pedras e sacos de lixo foram arremessados pelos manifestantes, e bombas de efeito moral e balas de borracha foram utilizadas pelos guardas. Não se sabe de qual lado partiram as primeiras agressões.

Bombas, fogo e lixo marcam votação da previdência em SP

UOL Notícias

A primeira votação da reforma, no sábado, também foi turbulenta. As vereadoras Samia Bonfim (PSOL) e Janaína Lima (Novo) trocaram ofensas na Mesa da Casa. Uma hora depois, durante a fala de Samia, Holiday subiu ao púlpito para interromper a colega, dizendo que o tempo dela já havia acabado. Toninho Vespoli, também do PSOL, reagiu para defender Samia, e os dois trocaram empurrões.

O projeto

O projeto aprovado aumenta a alíquota básica de contribuição de 11% para 14% e foi aprovado em segunda votação nesta quarta, com o placar de 33 votos favoráveis e 17 contrários. O prefeito Bruno Covas (PSDB), que defende a mudança, tem agora 90 dias para sancioná-la. 

De acordo com o projeto original, o déficit da previdência da cidade é de R$ 6 bilhões e cresce cerca de R$ 700 milhões por ano. Com a proposta aprovada, o crescimento do déficit cessaria em 2025, segundo o projeto.

O vereador Claudio Fonseca (PPS), presidente do Sinpeem (Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo), disse que a entidade votará a possibilidade de realização de uma greve em fevereiro.

Política