PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que Haddad inventa motivos para "derrota vergonhosa do PT"

04.jan.2019 - O presidente Jair Bolsonaro deixa o Palácio da Alvorada, em Brasília - ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO CONTEÚDO
04.jan.2019 - O presidente Jair Bolsonaro deixa o Palácio da Alvorada, em Brasília Imagem: ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO CONTEÚDO

Antonio Temóteo e Thâmara Kaoru

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

05/01/2019 13h30Atualizada em 05/01/2019 18h24

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou críticas ao petista Fernando Haddad neste sábado (5) pelas redes sociais. Em uma mensagem no Twitter, Bolsonaro chamou o candidato vencido nas eleições presidenciais de "fantoche de presidiário corrupto" e disse que Haddad estaria inventando motivos para justificar o que classificou como "derrota vergonhosa do PT".

As críticas foram feitas após Haddad reproduzir em sua conta no Twitter um texto da agência Deutsche Welle com o título "Brasil, um país do passado", publicado no ano passado. "O Bolsonaro me confundiu com o jornalista da Deutsche Welle. Na verdade, é uma matéria da Deutsche Welle, não é um comentário meu", afirmou Haddad ao UOL

"Se ele tivesse o mínimo de coragem, se quiser acrescentar, ele teria aceitado debater comigo na campanha eleitoral", afirmou o ex-prefeito de São Paulo.

No Twitter, Haddad também respondeu a Bolsonaro e fez referência ao fato de o presidente não ter participado de nenhum debate com o então candidato petista durante a campanha eleitoral. "Na verdade, quem disso isso foi uma jornalista da Deutsche Welle, mas se você já se sentir seguro para um debate frente a frente, estou disponível. Forte abraço", escreveu o ex-prefeito.

Bolsonaro havia atribuído a Haddad a afirmação de que "está na moda um anti-intelectualismo" no Brasil. A frase consta no artigo reproduzido por Haddad. O presidente escreveu:

"A verdade é que o marmita (sic), como todo petista, fica inventando motivos para a derrota vergonhosa que sofreram nas eleições, mesmo com campanha mais de 30 milhões mais cara", escreveu Bolsonaro.

Bolsonaro também declarou que os comentários do petista seriam uma tentativa para explicar a derrota nas eleições presidenciais de outubro de 2018. Bolsonaro comparou o PT a uma quadrilha que expos o Brasil a corrupção e violência.

"Eles procuram e criam todos os motivos possíveis para estarem sendo rejeitados pela maioria da população, só não citam o verdadeiro: o PT quebrou o Brasil de tanto roubar, deixou a violência tomar proporções de guerra, é uma verdadeira quadrilha e ninguém aguenta mais isso!", afirmou na rede social.

A nova polêmica entre Bolsonaro e Haddad ocorreu um dia após o presidente anunciar uma alta de impostos e ser corrigido por integrantes da equipe.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que Bolsonaro "se equivocou" ao dizer que haverá aumento da alíquota de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). 

Segundo o ministro, não há previsão para aumento de tributos. O aumento da alíquota havia sido anunciado na manhã de sexta-feira (4) por Bolsonaro, que justificou a medida como uma compensação da prorrogação de benefícios fiscais às regiões Norte e Nordeste.

Lorenzoni admitiu que o aumento foi uma das hipóteses consideradas pela equipe econômica para compensar a criação de uma nova despesa, como exige a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, a ideia não teria ido adiante porque o ministro da Economia, Paulo Guedes, era contrário e a ela e porque o governo tem o compromisso de não subir impostos. 

Antes do ministro da Casa Civil, o secretário especial de Receita Federal, Marcos Cintra, também já havia negado o aumento anunciado por Bolsonaro.

Política