PUBLICIDADE
Topo

Mourão diz que Bolsonaro vai mostrar em Davos que não é "Átila, o Huno"

Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

21/01/2019 19h14Atualizada em 21/01/2019 20h52

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou nesta segunda-feira (21) que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) vai demonstrar no seu discurso no Fórum Econômico Mundial, em Davos, nesta terça (22), que não é "Átila, o Huno", conquistador que invadiu a Europa há 16 séculos.

"O discurso do presidente vai ser em cima das reformas da área econômica, que querem ser feitas, principalmente a reforma da Previdência, e também mostrar que ele não é o Átila, o Huno, é mais um brasileiro que nem nós", declarou.

Átila, o Huno saiu da Ásia Central e invadiu a Europa no século 5, conquistando territórios que vão até a França atual. Ele morreu em 453.

A saga do guerreiro bárbaro inspirou um filme de 2001, que mostrou desde sua infância no século 5 até as batalhas contra o Império Romano.

Em seu primeiro dia como presidente em exercício, Mourão chegou ao Palácio do Planalto por volta das 9h, e saiu após o meio-dia para almoçar no Palácio do Jaburu. Bolsonaro transmitiu o cargo ao vice-presidente na noite deste domingo (20), quando embarcou rumo à Europa.

Ele disse ter conversado nesta segunda com Bolsonaro pelo WhatsApp. "Mandou um zap aí, falando que chegou bem, que estava bem [...], que está tudo tranquilo, tudo certo lá", relatou.

Antes, ele havia saudado os repórteres que o aguardavam no acesso ao gabinete da Vice-Presidência com uma expressão em inglês que é traduzida em "sem notícias, boas notícias" [no news, good news].

Questionado se Bolsonaro fez alguma recomendação para o período de interinidade, Mourão brincou: "prudência e caldo de galinha".

Nesta terça, Mourão vai viajar pela manhã ao Rio de Janeiro para participar de um evento militar e retorna a Brasília depois do almoço.

O presidente em exercício falou sobre a cirurgia a que Bolsonaro será submetido no próximo dia 28 e disse que que deve assumir o posto apenas enquanto o titular estiver inconsciente e na UTI, o que deve durar um dia.

"Assim que sair ele já está em condições de despachar", declarou, informando que deve continuar em Brasília no período.

Política