Topo

Rodrigo Maia é eleito pela 3ª vez presidente da Câmara dos Deputados

Gustavo Maia, Guilherme Mazieiro e Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

2019-02-01T21:26:33

2019-02-01T22:32:21

01/02/2019 21h26Atualizada em 01/02/2019 22h32

A articulação com partidos da direita, centro e esquerda garantiu ao deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) a presidência da Câmara pela terceira vez seguida. O parlamentar fluminense comandará os trabalhos na Casa pelos próximos dois anos. 

Ele teve 334 votos e venceu o pleito em primeiro turno. A votação foi secreta, como prevê o Regimento Interno da Casa.

A vitória ocorreu depois de o atual comandante da Casa ser o indicado do maior bloco parlamentar da legislatura iniciada hoje, que conta com 11 partidos e 301 deputados, segundo a Câmara: PSL, PP, PSD, MDB, PR, PRB, DEM, PSDB, PTB, PSC e PMN.

Outros seis deputados concorreram à Presidência da Câmara. Veja quantos votos cada um teve:

Rodrigo Maia (DEM-RJ) - 334  votos
Fábio Ramalho (MDB-MG) - 66
Marcelo Freixo (PSOL-RJ) - 50
JHC (PSB-AL) - 30
Marcel Van Hattem (Novo-RS) - 23
Ricardo Barros (PP-PR) - 4
General Petterneli (PSL-SP) - 2

Houve ainda três votos em branco.

Em um discurso curto após a vitória, Maia, bastante emocionado, voltou a falar em modernizar os mecanismos internos da Casa. O presidente da Casa chorou ao falar do pai, César Maia, que foi deputado constituinte.

"Cada eleição foi uma emoção diferente da outra, mas em todas as três eu me emocionei muito porque fui criado nessa casa quando meu pai era deputado federal Constituinte", declarou.

"A Câmara é a casa do povo, ela precisa de modernização na relação com a sociedade, instrumentos de trabalho, modernizar e simplificar as leis e fazer reforma de modo pactuado", discursou Maia.

Rodrigo Maia fala que o Brasil vive "um momento de renovação"

UOL Notícias

A Mesa Diretora da Casa tem ainda seis cargos fixos --dois vice-presidentes, quatro secretários-- e quatro suplentes, que serão eleitos também nesta sexta.

A sessão foi presidida pelo deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE). Isso porque ele é o mais velho entre os que têm mais mandatos. A regra também consta do regimento da Câmara.

O reeleito

Rodrigo Maia foi eleito em 2018 para seu sexto mandato consecutivo.

Também no primeiro turno, com 293 votos, Maia já havia sido reconduzido ao posto para o biênio 2017-2019, há dois anos.

Na última eleição para a Presidência da Câmara, o então deputado federal Jair Bolsonaro, que na época era do PSC-RJ, obteve apenas quatro votos.

Ele havia ocupado o cargo por sete meses depois de ser eleito em julho de 2016 para um "mandato-tampão".

A eleição extraordinária ocorreu para escolher o substituto do ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB-RJ), que renunciou ao cargo no mesmo mês e está preso desde outubro daquele ano.

Em discurso durante a sessão, Maia pregou que o Brasil vive "um momento de renovação". "Esse foi o resultado das urnas", declarou.

Ele abriu seu pronunciamento dando boas vindas aos novos parlamentares que tomaram posse hoje. Ele defendeu ainda a necessidade de se reformar o Estado brasileiro. "As reformas não são simples, mas elas são necessárias", afirmou.

Comprometido com a reforma da Previdência-- prioridade do governo Jair Bolsonaro (PSL) neste primeiro semestre --, Maia tem proximidade com o Palácio do Planalto, mas não será um presidente governista.

Antes do início da sessão, o deputado defendeu o voto secreto.

"O Congresso não é um puxadinho do Executivo. Então quando a gente abre o voto, o governo marca o voto de cada deputado e cada senador", disse

Mais Política