PUBLICIDADE
Topo

Governo Bolsonaro teve 3ª queda de ministro mais rápida desde 1989

4.dez.2018 - Gustavo Bebianno deixa o governo menos de 2 meses após posse - Fátima Meira/Futura Press/Folhapress
4.dez.2018 - Gustavo Bebianno deixa o governo menos de 2 meses após posse Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress

Gustavo Maia e Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

18/02/2019 18h41Atualizada em 18/02/2019 20h23

Resumo da notícia

  • Presidente do PSL na eleição de 2018, Bebianno teria autorizado verba do fundo partidário para candidata laranja em PE
  • Ele negou ter responsabilidade sobre os repasses do PSL, e disse ter conversado com o presidente "três vezes" durante internação
  • Carlos, filho do presidente, diz que a conversa do ministro com o pai é "mentira absoluta"
  • Bebianno mantém sua versão, e áudios de conversas dele com Bolsonaro chegam à imprensa
  • Após o vazamento, Bolsonaro decide demitir Bebianno

A demissão de Gustavo Bebianno (PSL) da Secretaria-Geral da Presidência da República é a terceira queda de ministro mais rápida desde a redemocratização no país, em 1989.

Pivô do escândalo de candidaturas laranjas de mulheres revelado em reportagem da Folha de S.Paulo, o agora ex-chefe da pasta foi exonerado hoje 48 dias depois de tomar posse do cargo. À frente dele no quesito menor duração no cargo estão Romero Jucá e Joaquim Roriz, este último morto em setembro do ano passado.

Romero Jucá (MDB): Exonerado após 12 dias pelo ex-presidente Michel Temer (MDB), em 2016.

jucá - DIDA SAMPAIO 11.out.2018 /ESTADÃO CONTEÚDO - DIDA SAMPAIO 11.out.2018 /ESTADÃO CONTEÚDO
Romero Jucá ficou apenas 12 dias no governo Temer
Imagem: DIDA SAMPAIO 11.out.2018 /ESTADÃO CONTEÚDO

Joaquim Roriz: Pediu demissão após 14 dias para concorrer ao governo do estado do Distrito Federal, em 1990. Era ministro da Agricultura e da Reforma Agrária do hoje senador Fernando Collor (Pros-AL).

Gustavo Bebianno (PSL): Exonerado após 48 dias pelo atual presidente, Jair Bolsonaro (PSL).

Gustavo Krause: ex-chefe da Fazenda no governo de Itamar Franco (1992-1994), Krause esteve no cargo por 75 dias, entre 2 de outubro de 16 de dezembro de 1992. Foi a quarta demissão mais rápida.

Outros ministros

Na gestão de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), presidente de 1995 a 2002, a primeira baixa foi a do então ministro da Aeronáutica, Mauro José Miranda Gandra. Ele foi empossado em 1º de janeiro de 1995 e demitido em 21 de novembro daquele ano. A pasta foi interiormente incorporada ao Ministério da Defesa.

Já Lula, eleito em 2002 e reeleito em 2006, implementou sua primeira reforma ministerial cerca de um ano após o início de seu primeiro mandato. Na ocasião, seis ministros foram demitidos: Miro Teixeira, Benedita da Silva, José Graziano, Emília Fernandes e Cristovam Buarque.

No governo de sua sucessora, a ex-presidente Dilma Rousseff (2011-2016), o primeiro a cair foi o então chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. A exoneração ocorreu em 7 de junho de 2011.

Bolsonaro agradece Bebianno e cita "questões mal-entendidas"

UOL Notícias

Política