PUBLICIDADE
Topo

Política

Aloysio Nunes pede demissão após se tornar alvo de nova fase da Lava Jato

11.mai.2016 - Ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) - Alan Marques/Folhapress
11.mai.2016 - Ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) Imagem: Alan Marques/Folhapress

Marcela Leite

Do UOL, em São Paulo

19/02/2019 18h17

Em carta enviada o governador João Doria (PSDB) na tarde de hoje, Aloysio Nunes (PSDB) pediu demissão da Investe SP, agência paulista de promoção de investimentos do governo de São Paulo. A medida no mesmo dia em que o ex-senador e ex-ministro das Relações Exteriores do governo Michel Temer (MDB) virou alvo da 60ª fase da Operação Lava Jato.

Na carta de demissão, o tucano afirmou ter "certeza" de que a verdade o beneficiará, mas disse que a circunstância o leva a pedir dispensa da função.

"Já mobilizei a competente defesa jurídica que foi orientada por mim a prestar irrestrita colaboração com as autoridades para cabal esclarecimento dos fatos. Tenho certeza que a verdade me beneficiará, embora somente ao final de um processo de duração imprevisível. Nessas circunstâncias, imperativos de ordem pública e de ordem privada recomendam que a V.Exa. me dispense da função de presidente da InvestSP para a qual fui honrado com sua designação", escreveu Aloysio.

Não tenho, em minha consciência, o que possa comprometer a lisura que sempre mantive com o padrão da minha conduta. Porém, não me iludo quanto ao abalo que essa simples diligência, cercada do alarde que, infelizmente, tem sido regra em casos semelhantes, provocou em minha imagem pública
Aloysio Nunes

Na nova fase, denominada Ad Infinitum, a força-tarefa aprofunda as investigações sobre um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo o setor de propinas da Odebrecht e operadores financeiros com o objetivo de abastecer campanhas eleitorais e pagar propina para agentes públicos. O ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza - conhecido como Paulo Preto -, apontado como operador financeiro do PSDB foi preso na operação.

Segundo o Ministério Público Federal, as transações investigadas superam R$ 130 milhões, que correspondiam ao saldo de contas controladas por Paulo Preto na Suíça verificados no início de 2017 pela investigação. 

Segundo as investigações, em uma dessas contas, foi solicitada a emissão de um cartão de crédito em nome de Aloysio Nunes. De acordo com o MPF, o banco foi orientado a enviar o cartão para um hotel em Barcelona, na Espanha, onde Nunes estava hospedado entre os dias 24 e 29 de dezembro de 2007.

Aloysio Nunes disse que não sabe por que está sendo investigado e que não recebeu o cartão de crédito citado nas investigações. "Estou em busca do que existe nesse inquérito. O delegado que conduziu a diligência não pode me dizer, porque o inquérito está em segredo, então estou buscando saber o que que há", disse à Folha de S. Paulo, antes de uma palestra no Instituto FHC, em São Paulo.

Política