PUBLICIDADE
Topo

Vereador gaúcho critica ação anti-assédio: "mulher decente não dá problema"

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo

09/03/2019 16h12

Um vereador gaúcho gerou polêmica ao falar que "mulher que se presta não dá tanto problema". A declaração foi do vereador Cláudio Gottschalk (PDT), de Nova Petrópolis (RS), ao final da sessão da última quinta-feira (7), véspera do Dia Internacional da Mulher.

"Agora eu quero dizer uma coisa para vocês, falam tanto em mulheres, tantos problemas (...) uma mulher que se presta, uma mulher decente, não dá tanto problema. Uma mulher que se presta, eu acho que não dá tanto problema. O problema são as chinelonas", disse Gottschalk, dirigindo-se à vereadora Kátia Zummach (PSDB), única representante feminina entre os 11 membros da Câmara municipal.

Cláudio Gottschalk - Divulgação/Câmara de Nova Petrópolis - Divulgação/Câmara de Nova Petrópolis
Cláudio Gottschalk (PDT) é vereador de Nova Petrópolis (RS)
Imagem: Divulgação/Câmara de Nova Petrópolis

Em seguida, o vereador minimizou casos de violência contra a mulher, dizendo que há poucos problemas do tipo na cidade.

"Aqui no município de Nova Petrópolis, quantos problemas têm? Eu acho que é muito pouco. Eu acho que até fica feio nós irmos botar faixas nos banheiros ou nos órgãos públicos com telefone para denunciar [casos de violência contra a mulher]. Eu acho que é muito pouquinho essas coisas aí".

A declaração também foi uma resposta a uma proposta da vereadora Kátia Zummach para instalar faixas em locais e órgãos públicos com orientações para os moradores denunciarem casos de violência doméstica.

Vereadora rebate fala de colega

Após a crítica à sua proposta, a vereadora interrompeu a fala de Gottschalk: "as estatísticas comprovam, a violência não tem distinção entre mulher que presta e que não presta. Várias donas de casa diariamente sofrem violência doméstica." Em seguida, ela questionou o colega de Câmara: "eu acho que é muito grave esse tipo de questionamento, porque o que é uma mulher que presta?" 

A vereadora disse, ainda, que "a mulher tem o direito de usar qualquer decote" e não deve ser rotulada. "Se a mulher fala não, e o homem continua insistindo, isso é assédio. No meu ponto de vista, precisamos sim, e muito, trabalhar todas essas questões", declarou.

Ao se justificar, Gottschalk afirmou que não estava questionando a forma de as mulheres se vestirem, mas sim a quantidade de ocorrências de violência doméstica na cidade, que, segundo ele, são poucas.

"Eu sou um cara bruto, eu sou criado no meio do mato, eu saio muito, ando muito. Nós temos de olhar os problemas do nosso município. O que acontece fora, nós não devemos estar cuidando disso. Nós temos muito pouco problema aqui na nossa região, pouquíssimo. Se acontece fora, não é uma coisa que nós temos de estar debatendo dentro da Câmara", disse.

Vereador pede desculpas em vídeo

Depois do bate-boca na Câmara municipal, o vereador publicou um vídeo hoje em seu perfil no Facebook com um pedido de desculpa.

"Em momento algum tive a intenção de ofender as mulheres. Sou uma pessoa simples e respeito a todos. Sou casado, tenho filha e neta, e minha intenção não foi ofender ninguém, muito menos as mulheres. Minhas sinceras desculpas", declarou no vídeo.

Apesar do pedido público de desculpas, muitos usuários criticaram o vereador. "Sua intenção foi de classificar as mulheres: decentes e indecentes. Decente não apanha, portanto se você apanha é chinelona! E tem que pedir mais do que desculpas, tem que renunciar ao mandato", escreveu uma internauta nos comentários.

Política